21.6 C
Itapema
terça-feira, junho 18, 2024
mais
    InícioSanta CatarinaBR-101: Região da AMFRI inicia período de testes do acostamento como terceira...

    BR-101: Região da AMFRI inicia período de testes do acostamento como terceira faixa

    Em:

    Em Destaque

    Nos dias 15, 16 e 17 de dezembro será liberado o acostamento como terceira faixa no trecho de Itapema a Navegantes – trevo da SC-470. Tendo êxito nos testes, após o Natal será liberado todos os dias, das 14h às 22h, entre Porto Belo a Barra Velha nos dois sentidos, Norte-Sul e Sul-Norte.

    A decisão foi tomada após uma série de reuniões com representantes do executivo de toda a região e da AMFRI, em conjunto com a ANTT, a Arteris Litoral e a Polícia Rodoviária Federal. O Prefeito de Penha, Aquiles da Costa, comemora a conquista, porém, ressalta ainda a necessidade de execução das obras, que são medidas efetivas para destravar o trânsito.

    “Precisamos que a execução dessas melhorias para diminuir efetivamente as filas quilométricas que existem não só na temporada de verão, mas é claro que na temporada o problema se agrava muito. Essa é uma pauta que cobramos há muito tempo no município e via AMFRI, quando ingressamos com ação coletiva na Justiça Federal. Uma das regiões que mais cresce no Estado de Santa Catarina merece atenção”, pontua Aquiles.

    Em 2022, o Município de Penha ingressou com ação civil pública contra a Autopista Litoral Sul e ANTT, e que ganhou força com a junção da ação coletiva interposta pela AMFRI. A unificação das ações foi uma determinação judicial. Em janeiro deste ano, em audiência conciliatória, foi definido o início das melhorias até março de 2024.

    “Começamos a cobrança à nível municipal, porém, enquanto Presidente da AMFRI lutamos muito por essa causa, em conjunto com todos os Prefeitos, agora com o atual presidente da entidade e Prefeito de Bombinhas, Paulinho, e com lideranças importantes que representam nossa região e nosso Estado”, explica.

    Segundo a Arteris, esses testes são necessários para uma análise de como se comporta a liberação, uma vez que envolvem investimentos de quase R$12 milhões com placas horizontais e verticais por 120 quilômetros (60 quilômetro norte/sul e 60 quilômetro sul/norte), além de uma camada de asfalto no pavimento dos acostamentos.

    Texto, Lyandra Machado*, jornalista responsável
    *Com informações da AMFRI
    Foto: Felipe Franco

    Cidades