Árvores clamam por cuidados

872
Compartilhar

Scoth Phelps, especial

Moradores e frequentadores da Praça da Paz, no Centro de Itapema, pedem que órgãos responsáveis olhem com atenção a situação das árvores.

Elas são imponentes, dão charme à cidade, não bastasse a beleza, ajudam a refrescar as tardes quentes àqueles que frequentam a “pracinha” aos domingos preguiçosos.  No Centro de Itapema, bem na ponta mais longa da área triangular que compõe a “Praça da Paz”, ao aproximar-se da bifurcação com o símbolo do Rotary, já se pode avistá-las.

Nem mesmo o emaranhado de fios que cruza a Avenida Nereu Ramos à frente delas sãos capazes de ofuscar a grandeza e a pose naturalmente encantadora da primeira, digna de cartão postal. Contudo, moradores preocupados e com apreço por nossa cidade ao observá-las com um pouco mais de atenção descobriram tristemente que as de origem africana, com belas flores vermelhas, estão morrendo.

Quem seria o responsável por tal inconsideração?

Os livros de biologia nos ensinam que são fungos, de toda sorte de forma e cores; O mais famoso deles, ícone do natal e dos presépios é popularmente conhecido como “barba de velho”. Os próprios cientistas e botânicos discordam entre si. A cientista Rosmarie Honegger, por exemplo, assegura que pesquisas mais extensas precisam ser feitas antes que essas espécies sejam reconhecidas como parasitas enquanto outros constatam que são aparentemente são inofensivos, mas na prática são terrivelmente prejudiciais: alimentariam-se dos minerais contidos na árvore, causando nela, uma espécie de “desnutrição”: ela fica fraca, seca e começa a morrer.

 

Entregue às traças

Enquanto nem os livros nem os cientistas chegam a veredito parte da população itapemense aponta o dedo para outros tipos de parasita: os partidários e políticos. O descaso e o desleixo seriam o reflexo de uma sucessão de governos atrapalhados e deficientes. Já houve quem as plantasse, quem as transplantasse e até mesmo quem as arrancasse, mas jamais na história do município houve quem zelasse por elas.

Ruas verdes e cheias de árvores bem cuidadas fazem a palavra “arborizada” soar muito agradável aos ouvidos, “até você levar uma “arborizada” na cabeça” brinca D. Bete, moradora do canto da praia.

É preciso que as instituições responsáveis tenham mais esmero para com as poucas árvores de nossa bela cidade, uma providência precisa ser tomada, manutenção, adubagem, poda remoção ou não desses fungos por especialistas, pois o fato é que as pessoas acreditam que estão morrendo.

Contraponto

Nossa equipe entrou em contato com a FAACI – Fundação Ambiental Área Costeira de Itapema, que informou que o assunto em questão seria com a Secretaria Municipal de Agricultura. Entramos em contato com o órgão que informou que ainda nesta semana, um técnico agrícola irá até à Praça da Paz para avaliar a situação. Fomos informados ainda que existe um projeto de revitalização na secretaria de Turismo, mas não tem data para início.

Fotos: Scoth Phelps