Balneário Camboriú propõe ao IMA aumentar coletas de balneabilidade

438
Compartilhar

Coletas

Em reunião na tarde desta segunda-feira (04), entre representantes do Município de Balneário Camboriú com o presidente do Instituto do Meio Ambiente (IMA), Valdez Rodrigues Venâncio e técnicos do Instituto, foi solicitado o aumento da frequência das análises de balneabilidade das praias. Estavam presentes o diretor-geral da Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMASA), Douglas Costa Beber, o secretário do Meio Ambiente, Ike Gevaerd e a diretora de Desenvolvimento Ambiental, Maria Heloísa Furtado Lenzi.

Na ocasião, o presidente do IMA relatou que não possui condições de realizar mais coletas durante a semana. Com isso, o Município irá propor formalmente, um termo de cooperação técnica por meio da EMASA, para custear o valor das coletas a mais e o Instituto irá coordenar o trabalho, de acordo com a metodologia já utilizada. “Nossa proposta é aumentar de uma para três coletas por semana”, falou o secretário do Meio Ambiente, Ike Gevaerd. “Para saber se um ponto é próprio ou não, o Ima analisa os dados das últimas cinco coletas. Aumentar o número de coletas é essencial para se ter um resultado coerente com as condições das nossas praias”, disse Ike.

Conforme a metodologia do IMA, a água é considerada própria quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras coletadas nas últimas cinco semanas anteriores, no mesmo local, houver no  máximo 800 Escherichia coli por 100 mililitros. E, imprópria quando em mais de 20% de um conjunto de amostras coletadas nas últimas cinco semanas, no mesmo local, for superior que 800 Escherichia coli por 100 mililitros ou quando, na última coleta, o resultado for superior a 2000 Escherichia coli por 100 mililitros. O Ima irá estudar o trâmite jurídico para ver a viabilidade dessa parceria.

Pedido para uso de biorremediador

Outro assunto em pauta, foi sobre o uso de biorremediador para auxiliar na revitalização do Rio Marambaia, pedido feito anteriormente pela Emasa. Os técnicos do IMA irão solicitar os documentos que estão em Itajaí, para fazer análise em Florianópolis e irão analisar os documentos já entregues com a proposta para utilização do biorremediador por um determinado período, como fase de testes.

“Ressaltamos ao presidente e técnicos do IMA que essa é uma ação paliativa, de resultado em curto prazo, já que estamos lançando a licitação para a construção do emissário e intensificando as ações de fiscalização e lacres de esgotos irregulares pelo Programa Se Liga na Rede”, completou o diretor-geral da Emasa, Douglas Costa Beber.

BC vai aumentar rede de coleta de esgoto na região central

A Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa) lançou uma licitação para um novo emissário de esgoto _ na prática, uma ampliação da rede atual. A nova tubulação vai carregar esgoto desde o Pontal Norte, passando pelo Centro, até a elevatória da Rua 3700. Tudo por dentro da atual rede de drenagem, que leva água da chuva até o mar. O valor de referência é de R$ 6 milhões.

Douglas Beber, diretor da Emasa, diz que o risco de vazamento é mínimo. A rede de esgoto, afirma, será feita em polietileno, que “dificilmente rompe”. Beber também afirma que a instalação da tubulação, que terá 60 centímetros de diâmetro, não afetará a capacidade de drenagem pluvial.

Reduzir o diâmetro das galerias preocupa, já que Balneário Camboriú tem problemas com o escoamento da água da chuva. O diretor da Emasa, no entanto, afirma que hoje são as bocas-de-lobo que não suportam o escoamento _ as galerias, segundo ele, estão superdimensionadas.

Balneário Camboriú tem 95% da cidade coberta por rede de esgoto. A maior parte da obra, no entanto, foi feita na década de 1980, e já não é suficiente para o volume atual de moradores _ especialmente na temporada de verão. A estimativa da Emasa é que, com o novo emissário, as galerias sejam capazes de recolher o esgoto produzido por até 700 mil pessoas. O cálculo levou em conta prédios de 40 andares em toda a primeira quadra, entre a Avenida Atlântica e a Avenida Brasil.