Cantinho da Alegria é DESPEJADO e pode ACABAR

265
Compartilhar

O galpão onde fica um dos projetos sociais que mais ajudam crianças e famílias em situação de vulnerabilidade em Itapema pode estar com os dias contatos. O local foi vendido e a entidade terá que se mudar. Com isso, cerca de 70 crianças e quase 500 famílias correm o risco de não serem mais assistidas pela instituição, o que preocupa a presidente e fundadora do projeto Leidaina Mullher.

Tom Amaral

Trinta de dezembro de 2021. Esta é data máxima para que o projeto social ‘Cantinho da Alegria’ saia do local onde desde 2017, de acordo com a atual presidente e fundadora Leidaina Mullher. O projeto que existe há sete anos em Itapema tinha um contrato de comodato com o proprietário até que a entidade conseguisse comprar um terreno próprio. Porém, a presidente alega que no início o acordo era de não pagar nada, pois se tratava de um trabalho de assistencialismo, mas que de dois anos pra cá, o projeto paga um aluguel de R$ 3 mil por mês ao dono do barracão. “Nunca deixamos de pagar o aluguel desde que começou a ser cobrado. Fomos pegos de surpresa com a negociação da venda do galpão. Aqui quando entramos, foi preciso fazer um investimento/reforma para poder abrigar nosso projeto. Criamos uma cozinha, janelas, ligamos a luz… foram várias benfeitorias no prédio para que as crianças pudessem ser abrigadas em espaço adequado”, reporta Leidaina Muller.

O projeto
O Cantinho da Alegria é responsável por fornecer centenas de refeições prontas, cestas básicas e roupas para inúmeras famílias e crianças carentes de Itapema e região. Segundo a presidente, cerca de 70 crianças e quase 500 famílias em situação de vulnerabilidade são assistidas pelo projeto. “Aqui as crianças têm a garantia alimentar do café da manhã, almoço, lanche da tarde, além de atendimento gratuito com psicólogos e atendimento odontológico. Isso sem falar nas demais pessoas que chegam em nossa porta diariamente em busca de alimentos e roupas. Nosso projeto sobrevive basicamente de doações, não temos apoio da prefeitura de Itapema. Podemos até sair daqui, mas para onde iremos?”, questiona a voluntária triste.

A venda
O terreno ao lado de um supermercado que abriga outros galpões foi vendido e todas as atividades no local serão desativadas, já que a intenção é construir uma sede administrativa desta rede de supermercados. “Nosso prazo é pequeno, pois uma mudança precisa ser planejada, existem demandas das crianças, móveis, brinquedos, equipamentos… já estamos à procura de um novo galpão, mas pelo valor que pagamos aqui não conseguimos. Em outros galpões, os aluguéis são de R$ 5mil pra cima, e nós temos uma despesa mensal de R$ 16 mil. Por isso, peço se algum empresário ou alguém que tenha um terreno à venda em condições especiais, nos ajude. As crianças necessitam do projeto e não quero ter que acabar com tudo o que já construimos”, expressa.

O proprietário
Nossa equipe tentou entrar em contato com o proprietário do terreno para ouvir o outro lado da história, mas até o fechamento desta edição, não havíamos conseguido uma resposta. O espaço fica aberto.

 

Fotos: https://br.worldorgs.com/