Casa Cor SC e Paraná projetam a arte de Juliano Guidi

529
Compartilhar

ITAPEMA

O antigo hotel Plaza Itapema, icônico e pioneiro resort brasileiro, é o palco da Casa Cor Santa Catarina. São 57 profissionais, vindos de 13 municípios e que assinam 35 ambientes na maior mostra de arquitetura, design de interiores e paisagismo das Américas.

Na Casa Cor SC/Itapema 2018, a arte de Juliano está presente em seis ambientes, entre eles a Varanda do Músico do trio Liliane Rodrigues, Filipe Milanezi Lima e Lucas Fernandes; no Beach Sunset, espaço trabalhado pelos profissionais Francisco Macedo Bhöm e Lygia Siévert; e no Living e Jantar, de Fernando Luiz Dal Bosco. Este último, um ambiente rústico, sofisticado e conceitual, está a Mesa Flor, peça que é o destaque da campanha 2018 da Residual Móveis & Galeria, marca idealizada por Juliano. O espaço de Dal Bosco na mostra de de decoração reúne uma curadoria impecável das suas peças, bem como de outros artistas.

O espaço Beach Sunset, de frente para o mar, montado no entorno da piscina do antigo Hotel Plaza Itapema, que marcou história por mais de 40 anos, também reúne uma série das peças assinadas por Juliano, como uma exuberante mesa de centro com quase três metros de diâmetro e com lareira, um aparador, o banco Vegas, entre outras. Na Varanda do Músico, um ambiente confortável, para descansar e receber amigos em casa também traz no centro dos seus 110.25 m2 uma mesa central em formato de raiz e uma em forma de prancha de madeira com uma lareira ao centro, além de uma mesa lateral com pés de ferro e tampo de madeira.

Paraná

Na Casa Cor Paraná, a Galeria Gourmet Compagas apresenta uma sala de jantar e uma cozinha-show em estilo nômade e caloroso. Destaque para mesa gigante quadrada com pranchas de imbuia e para a bancada do balcão do espaço, ambos desenvolvidos pela Residual e idealizados pelo arquiteto Ivan Wodzinsky, que assina o espaço.

Processo criativo

O ponto de partida para criação das peças é o mapeamento e o resgate dos materiais descartados há anos pela natureza. Esse processo envolve um misto de pesquisa, interpretação, força física e trabalho em equipe para extrair esses resíduos gigantescos, submersos em rios ou com partes enterradas. As linhas orgânicas recebem um fino tratamento para que a peça tenha vida longa e características do mobiliário contemporâneo que tem o poder de transformar os ambientes. As principais madeiras utilizadas nas peças são imbuia, sassafrás, cedro rosa, canjarana, grápia, entres outras, madeiras brasileiras consideradas nobres, principalmente pela longevidade.

Sobre o designer

Com uma carreira profissional voltada para as questões ambientais e valores que contemplam a sustentabilidade, Juliano se realiza transformando algo bruto em arte. Seu processo de criação, explica ele, é intuitivo e requer entrar em sintonia com cada elemento encontrado. “É um processo que exige uma sensibilidade para saber ver e “ouvir” o que cada resíduo quer ser, lapidar com paixão e o resultado são peças lindas que traduzem a beleza da natureza em cada ambiente. Nenhum corte de árvore acontece nesse processo que combina a pesquisa com a  interpretação de partes desperdiçadas, submersas ou enterradas, com intervenção mínima”.

A Residual trabalha com madeiras nobres descartadas e esculpidas pela própria natureza e que ganham o acabamento pelo particular senso de estilo do designer. “Eu gosto de estar na natureza, ver e perceber essas obras de arte. O trabalho é sentir essa vibração e conexão e se permitir entrar nesse fluxo para lapidar cada peça”, aponta Juliano.

A Residual Móveis & Galeria fica na Praia Brava – Itajaí. SC Av. Osvaldo Reis, 2819.  O telefone para contato é (047) 3349.7000