Caso Franciele: empurra-empurra e sem ainda sem final feliz

547
Compartilhar

Moradora de rua

Recentemente, o jornal A Hora mostrou o caso de Franciele de Jesus de Lima, de 31 anos, que estava morando em baixo de uma marquise, na rua 246, na Meia Praia, em Itapema. Ela recebeu alta do hospital da cidade, mas não tem para onde ir.

Cleyton Amaral

Depois de várias abordagens, voluntários do Acolher, clínica terapêutica aqui da cidade, conseguiram internar Franciele de Jesus de Lima, de 31 anos, no hospital Santo Antônio. O problema é que ela recebeu alta médica e o município não tem local para abriga-la.

De acordo com voluntários, a moradora de rua foi internada com infecção urinária, porém, seus problemas de saúde vão muito além. De acordo com Marlete, uma das voluntárias do Acolher, o problema maior é o alcoolismo. “Muitas pessoas não se dão conta que o alcoolismo é uma patologia séria, que deixa o indivíduo vulnerável, além da forte abstinência. Infelizmente, o Acolher só recebe homens, não temos como levar Franciele para lá. Conseguimos uma clínica, na verdade até duas, umas Balneário Camboriú e outra em Itajaí, porém, a Franciele precisar estar um pouco melhor até conseguir ir para lá. Com a alta médica, estamos sem saber o que fazer. Pergunto, de quem é a responsabilidade deste ser humano? Será que ela vai ter que voltar para aas ruas…”, indaga a voluntária.

Só mais alguns dias

Nossa reportagem esteve no hospital Santo Antônio, em Itapema, na tarde de ontem. Apesar de Franciele ter problemas psiquiátricos e o hospital não ter esta especialidade, os voluntários acham melhor que ele fique ali até sexta-feira, depois seguir para a clínica. O problema é que o município também não tem uma casa de passagem para que ela possa ficar, já que recebeu alta médica. Será que ela vai parar nas ruas, novamente?

Destino é incerto

Nossa reportagem entrou em contato com o hospital e a prefeitura municipal (Secretária de Assistência Social) para saber se algo poderia ser feito. Até o fechamento desta edição, nenhum dos órgãos haviam se manifestados. Esperamos que Franciele seja tratada com respeito, como todo ser humano merece!