Cidadão cobra agilidade nas investigações sobre desvios de dinheiro na saúde de Itapema

401
Compartilhar

Câmara de Itapema

O cidadão Elias Tenório, utilizou da Tribuna do Povo da Câmara de Vereadores de Itapema mais uma vez na 27ª Sessão Ordinária, na terça-feira, 21/08, para falar sobre seu pedido de abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), pela Casa de Leis, com o objetivo de investigar um suposto esquema de desvio de verbas da saúde do município.

Elias já tinha falado sobre o tema na Sessão do dia 24/07. Na data, o jornalista apresentou o pedido de abertura da CPI que, após parecer jurídico da procuradoria da Câmara, foi negado por inconstitucionalidade.

Nesta semana, Elias falou sobre os prejuízos que a falta de investigação pode trazer para Itapema. “Estima-se que R$ 8 milhões foram desviados de Itapema. Isso antes de uma investigação detalhada em nossa cidade. Imaginem o quanto descobrirão quando começarem as investigações!”, falou Elias.

Durante sua fala na Tribuna, ele demonstrou indignação pela demora da investigação. “Quantas pessoas morreram por causa desses desvios? Se nós esperarmos o DEIC fazer a investigação, perderemos mais dois anos! Então, o que peço, é que se encontre os motivos adequados para que se faça uma CPI aqui na Câmara, para investigar esses desvios na saúde do município”.

 Por que a CPI foi negada pela Câmara?

Essa é a segunda vez que Elias Tenório solicita a abertura de CPI na Câmara de Itapema. Vale lembrar que a DEIC/SC já está à frente da Operação Sutura, caso que corre sob segredo de justiça e investiga os supostos desvios.

Para que a CPI seja instaurada, um terço dos vereadores deve aceitar o pedido formal do proponente, e assinar como coautor do requerimento. A decisão inicial da Procuradoria, além de apontar a inconstitucionalidade pela falta de coautoria parlamentar, entendeu como redundante uma apuração em paralelo com o trabalho da DEIC, tendo em vista que a investigação de uma CPI legislativa tem como finalidade encaminhar os fatos averiguados para providências do Ministério Público, que também já averígua o caso.