Coluna Juquita Carvalho 20/03/2019

596
Compartilhar

Breves Apontamentos nessas
Noites de Insônia (09)

Um dia uma senhora me perguntou como acontece o processo criativo de um escritor. Eu disse: “fisicamente, o esforço que o escritor faz é mesmo que uma criança utiliza quando está concentrada desenhando uma girafa numa folha de papel. Agora, de onde vem o mistério da criatividade, essa força da imaginação, disso, não faço a menor ideia, minha senhora. ”
Ela ficou me olhando pensando que eu era um idiota. Afinal, aquela senhora esperava de mim uma resposta inteligente, definitiva, um discurso a respeito da escrita criativa.
***

Por precaução é sempre aconselhável recomendar, no quarto do motel, para a parceira daquela noite: “fica à vontade, moça…, só não morde…”
***

Nos dias que a alma está escura é recomendável usar camisa branca.
***

Só adquiri a plena liberdade de pensamento e ação depois que os meus textos ganharam as ruas misturados com o vento; quando, enfim, recebi a permissão ou a aceitação coletiva, de dizer por escrito, todas as ideias que antes se encontravam aprisionadas dentro do meu crânio.
***

Se você deseja conviver com pessoas criativas, inteligentes, livres e inovadoras, então esteja, no mínimo, no mesmo nível que elas.
***

Led Zeppelin, Pink Floyd, The Who, Rolling Stones, …, Os Mutantes…; Bob Dylan, Santana, Simon and Garfunkel, Elton John, Eric Clapton, Tim Maia e outros gênios da música; mas de que maneira alguém apreciador de Rock And Roll, Soul e Blues irá conseguir escutar essas terríveis duplas sertanejas que se esgoelam gritando sempre a mesma toada: essas letras dores de corno?
***

Vai, te comporta com submissão e honestidade e em silêncio cumpre as ordens recebidas – porque os ricos precisam ter nos seus entornos, no mínimo, 6 ou 7 ou 9 ou 13 pobres de confiança.
***

As pessoas quando olham fixo rumo ao nada, com aqueles olhares vazios, com os olhos parados como que procurando um ponto perdido na cortina do horizonte, na verdade estão olhando para si próprias – olhando para dentro –, varrendo e remoendo com o pensamento, antigas e doloridas lembranças. Olhos chorando seco, sem derramar uma lágrima sequer.
***