Coluna Otávio Closs 06/05/2019

572
Compartilhar

Gera expectativa cumpra

 

A ilusão que ofenda.

Algumas pessoas tem uma dificuldade extrema em cumprir o que prometem, geram expectativas, criam mundos de ilusões, envolvem todo um coletivo e nada concretiza. Vivem de iludir e ilusões? Como se acham no direito de tentarem manipular para proveito individual e particular ser ou coletividade que deposita com simplicidade alguns sonhos preciosos em mãos daqueles que cultuem ou vivam em subterfúgios? Quem é o sofredor em realidade destes planos, anseios e desejos não realizados? Não gera expectativas ou prometa coisas que não pode ou vai realizar, isso é de um extrema irresponsabilidade e crueldade, ofendem quem captou e viveu neste mental na espera de ser atendido. Não complique relacionamentos tentando passar a imagem do que não é!

Ampara.

A potencialização de carência, necessidade em se tornar notado leva ser a extremos que nos exige paciência e tranquilidade. Na capacidade que nos teste em extremo de equilíbrio condicionando posicionamento a lhe expor fadiga em auxílio que em mínimo de obrigação poderia fazer. Os relacionamentos estão em frágeis, mas, intensos momentos de avaliação. Ser objetivo, lógico e justo a mostrar incumbências tem demonstrado que em posicionamentos pessoais ou profissionais precisamos ter lucidez e fraternidade, visto que, em época que necessitamos demonstrar em íntimo e a muitos a ofertar o que temos e somos implica em raciocinar com amor. O ser em suas angústias e decepções que venha gerar descontentamento em exposição de atitudes nos relacionamentos que possam te desequilibrar estão profundamente doloridos pela magoa, apego a desilusão a te pedir auxílio. Aquele que necessita tumultuar ambiente de convívio a demonstrar que vive está implorando em íntimo atenção e carinho, pois, não entendeu ainda que a vida é para servir e semear sem o menosprezar de mentes. Ampara-te, exercita e equilibra ao contestar sem a humilhação de alma, em tudo se deve limite em respeito primeiramente a ti e também a outros. A mão que oferte deve estar limpa, sem máculas para ser entendida e estendida.

Equilíbrio.

Não existe ódio em meu íntimo. Vivo em limiar de linha tênue entre ser omisso ou conscientizar e esclarecer mentes. Talvez humanamente falte docilidade sendo que verdades nem sempre são lindos campos floridos em maravilhoso odor. Se as máscaras caem e se ofendem em sintonia com as vibrações que tenham onde realidade venha apunhalar com lógica sinto freio em continuar e ir, nada que me tire a tendência e necessidade da lucidez em informar sem omissão. Sinto se minhas frases ou palavras lhe incomodam, tentam e são verdadeiras, onde não se escondem aval para os desequilibrados, mesmo que entendamos sermos falíveis e humanos. Nada justifica desvio, subjugação, fanatismo, dominação ou incompreensível mando que assassina e prive em benefício pessoal ou corporativo, se aplaudem são cúmplices e coniventes, avalistas do mal. Entre silêncio e solidão sempre optarei pela verdade.

Limiar.

Quase me canso da falsa humanidade que tenta achar graça na calamidade, entristeço ao presenciar a hipocrisia quando tentam calar mentes que querem liberdade e buscam a verdade. Se todos somos iguais e diferentes sanidade tenhamos na mente. Dizer ao julgar outros sem representar ou vivenciar em exemplos nos torna fúteis e vazios, excludentes. Os que pensem mandar ou coordenar em instalação de caos se enganam, somos poucos, somos muitos da geração que ama. Esclareçam-se, deixem-nos viver. Se quer calar-me nem tente quando o discernimento e lógica se implante não incorre em erro. Se o equívoco humano aparecer todos iremos aprender, sou voluntário, não otário.