Coluna Stálin Passos 23/05/2019

102
Compartilhar

O que está acontecendo ? (I)

O presidente Bolsonaro e aliados ganharam as eleições prometendo uma nova política, o que despertou a nação e lhe assegurou a vitória com mais de 57 milhões de votos. Estamos a mais de 120 dias do “novo governo” e nada aconteceu, senão um retrocesso há muito tempo não ocorrido na nossa república!
O articulista Roberto Pompeu de Toledo (Veja 2635. 22/5/2019) coloca o novo presidente como o favorito para ganhar o troféu Milián-Astray (general fascista italiano – 2ª Guerra), famoso pela expressão: “abajo la inteligência, viva la muerte”. Depois, esclarece que no ataque contra a Universidade, Bolsonaro cumpre o primeiro preceito do general e na liberação de armas, completa a segunda parte: “viva la muerte”. Unamuno, na cerimônia em que a infeliz expressão foi dita, não a aceitou a barbárie e foi retirado do recinto, morreu logo depois, em prisão domiciliar e tornou-se o mais respeitado intelectual da Espanha democrática e o general só é lembrado na ressureição do fascismo!
O ministro da educação (Weintraub) copiando o seu chefe, entrou na rota da entropia, ao abraçar uma guerra cultural insensata, que, na verdade, disfarça o seu desconhecimento da administração pública, estimulando uma patrulha de costumes e política de ódio contra os divergentes…Vejamos as suas pérolas:
a) Conspiração na oposição;
b) Guerra cultural: desinformação e ignorância acima de todos;
c) Desconhecimento de que a universidade pública brasileira ocupa honroso 13º em todo o Mundo, na produção científica;
d) Franz Kaf(ka)ta;
e) 500.000 reais para avaliar 7 milhões de estudantes (o certo: 500 milhões;
f) A USP é motivo de orgulho para todo brasileiro consciente. Tenho filha com doutorado na mesma e trabalha como cientista no Canadá; …
Fico a pensar, como as elites nacionais podem aceitar tantas besteiras a nível republicano, já que se vê em tudo isso, uma ação da direita radical para apossar-se do Poder, colocando no Ostracismo, as vitórias do nosso Povo e Nação, nas lutas para consolidar a nossa Democracia. Eu mudaria o nosso lema nacional: O povo acima de tudo, com garantia dos seus direitos individuais e democráticos.