Coluna Vanessa Brasiliense Barcelos 14/03/2019

595
Compartilhar

Acho que estou virando nerd

Depois de tantas colunas falando sobre política, resolvi aliviar um pouco o clima da Vai e Arrasa essa semana – para o deleite de muitos leitores e para a decepção de outros. Antes de começar a coluna quero deixar registrado que vou usar o termo “nerd” por diversas vezes. Mas não é de forma pejorativa não, é apenas como uma classificação de um determinado grupo cultural.

Pensando em gostos para filmes e livros, sempre me considerei cult. Sempre que penso em diretores de cinema, por exemplo, logo lembro de Copolla, Hitchcock e Tarantino e não de Steven Spielberg e James Cameron, por exemplo – por isso a classificação cult. Porém sou cercada por nerds de todos os lados: meus colegas de trabalho, minhas melhores amigas e meu namorado são nerds e estava eu – a cult – perdida aí no meio.

Sempre tive uma certa resistência com a temática nerd, pois não sou muito fã de ficção científica nem de história de heróis (com exceção do Batman que sempre adorei). Mas vamos vivendo, aprendendo e abrindo a cabeça para coisas novas.

Quando era criança, meu pai me apresentou o filme 2001 Uma Odisséia no Espaço, do incrivelmente brilhante Stanley Kubrick. Eu devia ter uns 8 anos e não entendi nada do filme, mas via meu pai (que hoje percebo que também era nerd, pois era fã número 1 de Star Treck, além de outros indícios) com os olhos vidrados na tela e roendo as unhas enquanto assistia o filme pela décima vez. Não gostei do filme, mas ali descobri o Kubrick e até hoje sou profunda apreciadora de sua obra cinematográfica – com destaque especial para Nascido para Matar, De Olhos Bem Fechados e (claro) Laranja Mecânica.

Quando já era adolescente, assisti ao filme Matrix e fiquei impressionada com a obra. O enredo era brilhante e os efeitos especiais eram incríveis. Porém os filmes que vieram na sequência da trilogia não me encantaram nem um pouco. Alguns anos depois, fui ao cinema assistir ao primeiro filme da trilogia do Senhor dos Anéis. Meus colegas de classe e meus primos já eram fãs do Tolkien, então fui totalmente influenciada a assistir. Juro…. depois de três horas no cinema, achei aquilo tudo meio…. meh. O mesmo aconteceu com o bruxinho Harry Potter. Legalzinho o filme… mas só isso.

A parte mais nerd do meu cérebro despertou mesmo quando, depois de adulta, resolvi dar atenção devida aos filmes da franquia X-Man. Meeeu, daí sim comecei a me identificar mais com o universo nerd. O que achei mais legal, na verdade, é que a franquia fala basicamente de preconceito e o respeito que devemos ter às diferenças. Trazendo para a nossa realidade, comecei a apreciar toda a filmografia. Porém, parte do meu círculo nerd de convivência despreza veementemente alguns filmes da franquia, alegando que não são fiéis aos quadrinhos. Bem, como não li os quadrinho, não me importo. Adoro X-Man até hoje.

Uma franquia que sempre tive resistência em conhecer era a Star Wars, pois tinha sim um gigantesco pré-conceito com a temática interestelar, jurando para mim mesma que os filmes jamais fariam a minha cabeça. Porém, Star Wars é um marco cinematográfico elaborado pela mente brilhante de George Lucas. E quem é a Vanessa para discordar do George, não é mesmo?

Mesmo que eu tivesse resistência, não conseguia fugir do Star Wars, pois os filmes aparecem em grande parte das minhas pesquisas cinematográficas. Além disso, três das minhas sit coms preferidas contam com fãs da saga (The Big Bag Theory, How I Met Your Mother e That 70`s Show). Star Wars é tão popular que , mesmo sem nunca ter visto os filmes, eu já sabia que Darth Vader era o Anakin Skywalker, que por sua vez é pai do Luke e da Lea. Já conhecia o Chewbacca, o C-3PO e até o R2-D2. Então no feriado de carnaval resolvi deixar meu lado nerd falar mais alto e assiti as duas primeiras trilogias na ordem da filmagem. Ou seja: episódio IV, V, VI, I, II e III.

Sabe quando você tem uma verdadeira revelação e diz para si mesma: Cara, como que até hoje eu vivi sem conhecer isso???? Então, foi essa a minha reação. Fiquei simplesmente apaixonada pelo Star Wars, em especial pela história do Anakin. Agora terminei de assistir o episódio VII, que já faz parte da franquia Disney e adorei também. Infelizmente os demais filmes não estão na Netflix, então acho que vou acabar comprando para a minha coleção pessoal (o pai ficaria surpreso e orgulhoso rsrsrs).

Depois de ver os filmes, comecei a pesquisar mais sobre esta franquia nos canais de cinéfilos que acompanho pelo YouTube. Nisso, percebi como as pessoas idolatram a trilogia antiga e desprezam totalmente a segunda. Como as pessoas odeiam determinados personagens e idolatram outros. Como George Lucas foi brilhante em conseguir fazer o episódio IV antes de todos os outros (isso é o que me deixa mais perplexa). E como tem fãs tão assíduos que fazem até seus casamentos com o tema Star Wars.

A franquia ficou tão grande que acabou fugindo do controle criativo do Lucas, que vendeu a Lucas Filmes para a Disney por 4 BILHÕES de dólares. E além dos filmes existem livros, quadrinhos, animações, videogames…. Gente, é um verdadeiro universo que estou mais do que disposta a desbravar! Quem diria que um dia eu estaria me transformando em um projeto de nerd. E realmente é um projeto, pois ainda tenho milhas e milhas a percorrer para conseguir entender mais sobre essa cultura maluca que, sim, ganhou o meu coração. Quem diria….. Acho que estou virando nerd….
E estou adorando