Coluna Willian Aimar 13/05/2019

258
Compartilhar

O glamour da profissão de chef precisa
ser mais equilibrado com a realidade.

Nos últimos anos houve uma imensa procura de pessoas desejando a profissão para trabalhar como chefe de cozinha, graças aos inúmeros programas de TV que mostram uma pequena parte da profissão e elevam o chefe de cozinha a um glamour exagerado, porém também houve uma grande desistência entre todos que buscaram alguma especialização ou simplesmente um trabalho neste setor.
O verdadeiro glamour dentro da gastronomia é bem diferente do que é transmitido nas mídias, não significa que ele não existe. Em uma pequena parte do cotidiano que vivenciamos ele esta presente, nos momentos de euforia ao realizar um grande evento, nos serviços diferenciados que vez por outra realizamos, na montagem e acabamento dos pratos para encantar os clientes, mas ele não está presente quando estamos em pré-preparos demorados, limpezas de frutos do mar, cortes de quilos e quilos de proteínas, preparações de legumes, descascar batatas e muitas cebolas, no fechamento de cozinhas com limpezas pesadas em um ambiente extremamente quente que oferece inúmeros riscos, o tempo todo trabalhamos com alta temperatura, facilmente o calor passa de 45°C, objetos cortantes, frituras, nas faxinas de exaustores e equipamentos pesados como grelhas, chapas e outros que diariamente são executados ao finalizar cada turno de trabalho.
Não só na gastronomia mas em todas as profissões existem níveis de estresse, de ansiedade, muitos momentos difíceis onde cada profissional precisa ter sabedoria e um bom entendimento para lidar com situações adversas, um médico trabalha inúmeras horas cuidando de vidas, um policial precisa estar sempre atento a todo tipo de situação, muitas vezes o profissional está sendo muito visado e isso o torna mais apreensivo no seu dia a dia.
Há poucos dias li um depoimento, onde um cozinheiro conta sobre uma situação muito delicada que havia passado no seu âmbito de trabalho, descrevia sobre reações físicas geradas por um ambiente de muito estresse, inúmeras horas de trabalho e um desgaste físico e mental tão grande que o levou a uma série de doenças físicas e psíquicas. Quando um profissional costuma expor suas particularidades e dificuldades é muito comum que seja visado como fraco e até desequilibrado, mas o que não é comum é a percepção que cada profissão exige uma capacidade física e emocional diferente da outra e que e a busca por equilíbrio é realmente mais importante que a luta por resultados.
Dentro da gestão de cozinhas o relacionamento direto que um chefe precisa ter com sua equipe, seja ela numerosa ou não, existe um nível muito grande de estresse, que se intensifica com outros fatores tais como longas jornadas, trabalhar horas em pé, apesar de se trabalhar com alimentos é muito comum os profissionais não se alimentarem corretamente, muitas vezes nem vão ao banheiro ou bebem água como deveriam. Isso pode até parecer uma loucura, mas é mais comum do que a grande maioria imagina. Muitas empresas não tem este perfil, mas acaba se tornando uma rotina de muitos profissionais que se dedicam ao extremo, buscando entregar resultados diferenciados e não equilibram suas atividades.
Em qualquer profissão para ter um destaque ou uma ascensão profissionais não equilibrarem como deveriam suas atividades. Para se diferenciar de verdade o equilíbrio entre vida profissional e pessoal precisa de muitos cuidados. Um profissional não se constrói só no trabalho, também é a somatória de suas vivências com família, amigos e tudo que vive fora do local que trabalha.
Levantar uma discussão sobre o glamour que é passado na profissão de Chef e a realidade é um assunto muito polêmico, cada vez é maior a visibilidade nas mídias com centenas de programas sobre ser um chef e pouquíssimo divulgado os riscos e adversidades vividos diariamente por os mesmos profissionais que trabalham no mercado sem contar a remuneração em geral bem diferentes de outras profissões.
Cozinhar é um ato de amor, de entrega a outra pessoa, é um sentimento servido em um prato, com um conceito ou não.
Existem particularidades encontradas de empresas para empresas e também da formação individual de cada profissional que podem levá-lo a um desequilíbrio onde geralmente o mais prejudicado é aquele que está à frente de uma equipe.
É preciso dar muita atenção e principalmente capacitar não só o profissional em si, mas o conjunto de fatores onde ele está inserido. Quanto mais uma empresa trabalha com critérios bem definidos, um foco determinado de onde está e onde deseja chegar, metas traçadas e estratégias claras para alcançar seus objetivos; a interação de uma equipe será muito maior a fim de trabalhar organizadamente para realizar novas metas e poder ser avaliada como uma empresa de sucesso.

Sou chef Willian Aimar um Apaixonado para servir encantar pessoas.