Combate ao tabagismo é sucesso em Bombinhas

13
Compartilhar


A Prefeitura de Bombinhas, por meio da Secretaria Municipal de Saúde e Saneamento, tem desenvolvido ações educativas e preventivas durante todo o ano e, com a organização da Equipe de Combate ao Tabagismo de Bombinhas, vem trabalhando o tema com sucesso. A Equipe Multidisciplinar é composta pelo Médico Marcelo Gomes, Cirurgião Dentista Carlos Takayuki Yamanaka, Enfermeira Ana Carolina Pinheiro, Psicóloga Ingrid Lopes, Farmacêutica Ana Idalina Gomes, Fonoaudióloga Francine Zanella, Nutricionista Karina Raschelli e Naturóloga Ana Cláudia Pinheiro. Esses profissionais atuam em prol da integralidade, respeitando-se as percepções problemáticas e de vida dos pacientes.

Nos dois grupos que cumpriram as etapas do programa e encontra-se em fase de monitoramento, foram obtidos percentuais de sucesso superiores a 75%, ou seja, de cada 20 pessoas que participam do grupo, mais de 15 conseguem abandonar o hábito de fumar.

Considerado a principal causa de morte evitável pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o tabagismo é responsável pelo desenvolvimento de aproximadamente 50 doenças, incluindo o câncer. A OMS estima que 4,9 milhões pessoas (mais de 10 mil por dia) morrem todos os anos em decorrência do cigarro, que contém cerca de 4.720 substâncias tóxicas, das quais, pelo menos, 70 são cancerígenas. No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer estima que o ato de fumar é responsável por 200 mil mortes por ano (23 pessoas por hora), decorrentes de doenças como: câncer de pulmão, boca, laringe, faringe, esôfago, estômago, pâncreas, fígado, rim, bexiga, colo de útero e leucemia; angina e infarto do miocárdio; aneurismas arteriais; bronquite crônica e enfisema pulmonar e derrame cerebral. Além de causar também úlceras, invalidez e impotência sexual.

Fumar não faz mal à saúde somente daqueles que fumam. A fumaça produzida pelo cigarro prejudica, até mesmo, quem não fuma e os coloca na condição de tabagismo passivo, que também aumenta o risco de câncer de pulmão, infarto e doenças respiratórias. As crianças estão expostas no ambiente doméstico quando têm pais ou responsáveis que fumam dentro de casa. Elas adoecem mais de infecções respiratórias e alergias, correm risco de morte súbita da infância e aumentam as chances de se tornarem fumantes na idade adulta. A gestante, mesmo que não fume, mas esteja exposta à fumaça, coloca em risco a gestação e a saúde do bebê.  “Todo início de um processo de mudança, no que tange à saúde ou à doença, exige uma tomada de decisão, uma força interior perseverante, o aconchego da família e um auxílio da Equipe de Saúde. Venha fazer parte do nosso Grupo de Combate ao Tabagismo, juntos os obstáculos serão mais tênues nesse processo”, declara o Coordenador da ECTabagismo, Carlos Takayuki Yamanaka.

Os fumantes que desejam auxílio da Equipe de Combate ao Tabagismo, a fim de parar de fumar, devem procurar a sua Unidade Básica de Saúde ou entrar em contato pelo telefone 47 3369-1698 e serão encaminhados para a Equipe Antitabagista.