Conheça os candidatos ao Conselho Tutela de Itapema

599
Compartilhar

A semana inicia com o candidato ao cargo de conselheiro tutelar, Felipe da Silva. Estudante de Serviço Social, o jovem é nascido e criado em Itapema

Breve histórico

Felipe da Silva, nascido e criado em Itapema, tenho 25 anos, casado e Graduando em Serviço Social já no 6º período. Atualmente sou Estagiário de Serviço Social na APAE de Itajaí. Tenho experiência no atendimento à criança e adolescente envolvido em projetos sociais e grupos de adolescentes de Instituição Religiosa. Participante e colaborador da Associação de Haitianos e Amigos de Itapema

Por que você quer ser um Conselheiro Tutelar?

Para servir e atender com eficiência os casos em que comprometem e põe em risco a vida da criança e do adolescente. Quero zelar pelo cumprimento dos seus direitos, sempre as tratando como prioridade absoluta, dignas de atenção e tendo sempre como suporte e amparo o ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente). Acredito que elas não são apenas o futuro da nação, mas principalmente o presente. Sendo necessário prover espaço para elas exercerem seu protagonismo e potencial em destaque.

Quais ações pretende apresentar junto ao conselho para resguardar o direito da criança e do adolescente? Promover ações preventivas, relacionadas à violência, ao abuso sexual, ao suicídio, à erradicação do trabalho infantil, bem como, promover o contato e o conhecimento do ECA à criança, ao adolescente e a toda família. Isto poderá ser realizado através de palestras, rodas de conversas e campanhas de conscientização em ações em parceria com as escolas e entidades.

O que pode ser melhorado no conselho atual?

O conselheiro deve aderir ao compromisso, a seriedade e o olhar mais sensível pela causa, buscando o aperfeiçoamento e o conhecimento na área de atuação com capacitações continuadas. Sendo imprescindível também o conhecimento em detalhes do diagnóstico local. Por fim, buscar um bom relacionamento com o colegiado, para que se tome decisões com precisão e resolutividade.

Como você avalia as políticas públicas de Itapema para a criança e o adolescente?

Precisa ser mais efetiva e estruturada, aprimorando também o trabalho em rede na sua articulação e na aplicação dos recursos. Destaco a reativação da rede de proteção à criança e ao adolescente e os projetos aprovados pelo FIA atendendo mais de mil crianças. Mas ainda é necessária uma maior consolidação, principalmente no que diz respeito ao trabalho em rede e seus fluxos de atendimento.

Você conhece o Estatuto da Criança e do Adolescente? Na sua opinião, como combater a violência contra essa faixa etária?

Conheço, mas sempre buscando conhecer mais e tendo ele como suporte na atividade diária de um Conselheiro tutelar. É preciso a conscientização dos pais, responsáveis, a sociedade num todo, orientá-los e preveni-los contra a violência. Sendo fundamental também discutir e implementar políticas públicas voltadas a prevenção e redução da violência efetivando a proteção integral.