“Cratera” na rua 248 quase MATA trabalhador

1266
Compartilhar

Itapema, terra dos buracos…

O trágico acidente aconteceu no último sábado à noite (31/03), quando Ari Maciel, morador da cidade, mas conhecido por Chapecó, voltava para casa, depois de um dia de trabalho. Este foi o presente de Páscoa que os órgãos responsáveis pela gestão das vias públicas deixaram para o itapemense.

Cleyton Amaral

Vinte e dois pontos na testa. Este foi o saldo do acidente provocado por um, dos inúmeros buracos, que existem em Itapema. E esta não foi a primeira vez que o munícipe sofre lesões com a falta de reparos na cidade. O morador Ari Maciel, mas conhecido por Chapecó, voltava para casa, depois de um exaustivo dia de trabalho, quando um buraco, na rua 248, na Meia Praia, no último sábado (31), deixou a Páscoa do itapemense mais dolorosa.

Segundo informações, o trabalhador voltava do trabalho e estaria trazendo uma marmita para a família, quando o fatídico acidente aconteceu. Pessoas que estavam perto acionaram o resgate devido à gravidade das lesões. Chapecó, foi levado ferido ao hospital Santo Antônio, onde foi feito, de acordo com familiares exames, raio-X.

Seu Ari teve que permanecer naquela noite no hospital para uma avaliação, sendo liberado somente no dia seguinte. Familiares relataram à nossa reportagem que dias antes, o senhor já havia ficado ferido quando passeava pela orla da praia, quando máquinas da prefeitura efetuavam a limpeza e uma pedra veio direto em seu olho. “Ficamos preocupados, pois apesar de ser um senhor de idade, ele tem uma vida bastante ativa”, relatam os familiares.

De quem é a culpa?

Concessionárias, prefeituras, governos estaduais e a União são responsáveis por prejuízos gerados por conta de defeitos em vias. Não interessa se o dano foi ao carro, à moto, bicicleta, aos seus condutores ou pedestres. Se o buraco em via pública foi o causador do acidente quem paga essa conta e todos os seus prejuízos é o ente responsável pela via. Em vias urbanas, a ação judicial deve ser movida contra a prefeitura; nas rodovias estaduais contra o estado; e nas rodovias federais, contra a União.

Basta registrar boletim de ocorrência na delegacia mais próxima, reunir fotos do buraco (mesmo que ele seja tampado no futuro ficará a foto e o remendo para comprovar), do acidente e do veículo danificado, ter algumas testemunhas; fazer, pelo menos, três orçamentos do conserto do veículo e juntar os recibos dos gastos, inclusive, com materiais de curativos, medicamentos e atendimento médico. Se houver lesão e tiver laudo médico, junte toda a documentação, inclusive as receitas médicas.

Prefeitura, empreiteiras e outros contratados para fazer obras na cidade respondem juntos no processo. O próximo passo é ingressar com a ação judicial na Justiça comum (sem previsão de um valor máximo para o ressarcimento) ou no Juizado Especial Cível, o Juizado de Pequenas Causas (ações de até 20 salários mínimos sem advogado ou até 40 salários mínimos com advogado).

O que disse a prefeitura

Entramos em contato com a prefeitura de Itapema, por meio da assessoria de imprensa, mas até o fechamento desta edição, o órgão não havia se manifestado.

Fala Povo…

Sandra Kaminsky – Então.. Cadê a Super Prefeita que ia fazer de Itapema a melhor cidade para se morar?? Nem os buracos resolve!!!

Mariza Luciano Ranieri- Triste né, tanta arrecadação de impostos e as ruas uma vergonha. Itapema não tem mais jeito.

Claudio Adriano Riffel – Vamos mudar o nome da cidade para ITABURACO, vergonha, descaso dos governantes desta cidade…

Biz de Sena – Deve ser indenização por culpa da prefeitura ou qual o órgão competente e responsável a indenização… Prefeita ou quem tem culpa se tivesse óbito quem pagaria? Pense bem povo santa Catarina Brasil!

Vanderli Corretor – A nossa cidade está uma vergonha parece que nem tem secretário de Obras, aqui no bairro Várzea está abandonado, os vereadores sumiram!

Paola Rizzotto de Castilhos – As ruas depois da terceira avenida estão todas com buracos… é lamentável isso prefeita. Vamos tapar esses buracos já.

Cleonice Alves Rodrigues – Em 2007, meu genro e meu filho sofreram um acidente por falta de sinalização aqui no bairro Sertãozinho, na rua do Colégio Maria Linhares. Meu filho perdeu um rim e duas costelas e meu genro quebrou a perna em três lugares e até hoje eu estou esperando ajuda deles!

Monica Virtuoso – Vergonha de cidade. Isso que é cidade turística? Essas ruas não têm uma que esteja em perfeito estado. Está sim em estado deplorável, lamentável. Sem contar que pode abrir uma Oficina a cada