Féria frustradas: não caia no Golpe do Verão

388
Compartilhar

 

Itapema registrou pelo menos 10 ações de golpistas desde o ano passado. De acordo com a delegacia de polícia da cidade, turistas devem se atentar e sempre procurar uma imobiliária e profissionais devidamente autorizados neste tipo de transação.

 

Cleyton Amaral

 

Muitas famílias se organizam durante o ano todo para passar as férias no litoral catarinense. Itapema é um dos destinos mais procurados por famílias do Brasil inteiro e até de fora. Entretanto, alugar um imóvel nesta época do ano requer muita, mais muita atenção. A falta de experiência neste tipo de transação, aliada a anúncios tentadores, podem transformar as férias de turistas numa verdadeira dor de cabeça.

Uma família do interior do Paraná, que preferiu não ser identificada, relatou à reportagem que foram vítimas do golpe na virada do ano, perdendo pouco mais de $ 1,2 mil em um aluguel falso. O pai da família informou que havia fechado o negócio pela internet, em uma página do Facebook com vários anúncios de aluguel de temporada. Após ter depositado o caução solicitado pelo golpista, a família chegou à cidade às vésperas da virada e descobriu que a referida casa nunca esteve para alugar. A família teve que procurar outro imóvel, mais barato no bairro Perequê, em Porto Belo, senão passaria o Reveillon, literalmente, na rua.

Analisando posteriormente, a família percebeu que a negociação foi toda feita pelo chat do Facebook. A mulher que se dizia dona do apartamento possuía um número de telefone do Rio Grande do Sul, que agora só cai na caixa postal. Passado o susto do golpe, a mãe da família diz que no próximo verão, irá alugar outro imóvel em SC, mas desta vez com uma imobiliária:

— Eu me considero esperta, mas dessa vez me passaram a conversa. Como estava em site, não desconfiei. A revolta é muito grande, quem vai alugar deve verificar tudo muito bem.

 

Mais um caso

Um turista de Campo Grande (MS), que também prefere não ser identificado, caiu no mesmo golpe em Itapema. Ele buscou por um apartamento por meio de uma oferta tentadora, que chamou sua atenção: três quartos, a duas quadras do mar e com uma diária de R$ 250.

— Fiz toda negociação por e- mail, whatsapp e telefone. O locador me passou o contrato por e-mail com a autenticação do cartório, passou os dados da conta e eu fiz o depósito de 50% do valor. Não tinha nada de anormal, no ano passado aluguei um imóvel em Florianópolis da mesma forma — afirma.

— Tenho esperança que consigam localizar essas pessoas. É uma ducha de água fria, não tenho mais vontade de viajar e correr o risco de chegar na cidade e não encontrar o imóvel — desabafa.

 

O que diz o delegado

Nossa equipe de reportagem entrou em contato com a delegacia da cidade. Conversamos com o titular Aden Claus, que informou que desde o Natal a delegacia vem registrando golpes deste tipo. “Alguns procedimentos estão sendo instaurados em nossa cidade, outros encaminhados para o local de competência”, expressa. O delegado solicita que os turistas tomem cuidado e procurem sempre uma imobiliária e profissionais devidamente autorizados para este tipo de transação.

 

Proteja-se dos golpes:

– Desconfie de anúncios que oferecem imóveis com valor abaixo do mercado.

 

– Confira junto ao Creci o registro do corretor de imóveis.

– Verifique se o imóvel a ser locado realmente existe.

– Tenha cuidado com locações direto com o proprietário. Na dúvida, peça o documento oficial de propriedade.

– Prefira alugar com imobiliária ou corretor que tenha endereço fixo e telefone convencional.

– Faça uma pesquisa detalhada sobre o imóvel, pessoas responsáveis ou corretor.

– Exija contrato autenticado no cartório da cidade onde fica o imóvel e verifique o selo digital do documento.

— Tenha cuidado com locações direto com o proprietário. Na dúvida, peça o documento oficial de propriedade;

— Evitar ao máximo o adiantamento de valores. Se preciso, explique que tem receio de fraude e, portanto, prefere pagar quando chegar. Caso não seja possível, deixa a maior parcela para o dia de entrada no imóvel;

— Cheque se o CPF do anunciante é o mesmo do proprietário do imóvel. Você pode pedir essas informações junto às bancárias. E, se for golpe, a responsabilização penal será mais simples, porque será mais fácil rastrear o criminoso;

— Pesquise os preços praticados na região escolhida e desconfie de anúncios que oferecem imóveis com valor muito abaixo do mercado (de 30 a 40% a menos);

— Verifique, com a ajuda de internet (como com o Google Maps), se o imóvel a ser locado realmente existe e se há referências sobre a prioridade, a exemplo de comentários no próprio site onde está anunciado ou até no Reclame Aqui;

— Tenha cuidado com locações direto com o proprietário. Na dúvida, peça o documento oficial de propriedade;

— Evitar ao máximo o adiantamento de valores. Se preciso, explique que tem receio de fraude e, portanto, prefere pagar quando chegar. Caso não seja possível, deixa a maior parcela para o dia de entrada no imóvel;

— Cheque se o CPF do anunciante é o mesmo do proprietário do imóvel. Você pode pedir essas informações junto às bancárias. E, se for golpe, a responsabilização penal será mais simples, porque será mais fácil rastrear o criminoso;

— Prefira alugar com imobiliária ou corretor que tenha endereço fixo e telefone convencional;

— Confira junto ao Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) o registro do corretor de imóveis;

— Exija contrato autenticado no cartório da cidade onde fica o imóvel e verifique o selo digital do documento. Preze por esse documento nem que ele seja bastante breve: uma página com nomes completos, números de documento e endereço, por exemplo.

 

Fonte: Procon-SC e Comissão de Direito do Consumidor da OAB-SC