Itapema infestada pelo Aedes aegypti

609
Compartilhar

Perigo à vista

Mosquito é o transmissor da Dengue, Zica e Chikungunya. Novamente nosso município enfrenta este pequeno inimigo. Na cidade, somente em 2018, já foram registrados 25 casos. Saiba como prevenir sua casa.

Cleyton Amaral

Ele ama Itapema. Ele gosta também de água parada, prefere voar durante o dia e transmite um vírus perigoso. O mosquito transmissor já começa a assombrar novamente a região. Ontem, terça, dia 11, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive/SC) divulgou um relatório revelando que Itapema é uma das 74 cidades infestada pelo mosquito, entre elas, a Capital Catarinense dos Ultraleves.

O relatório calculou dados até o dia 1º de Setembro, onde 53 casos de dengue, 13 de Febre chikungunya e um de Zika vírus foram confirmados no Estado. Este número é 21,3% superior ao mesmo período do ano passado, quando eram 61 cidades infestadas.

Casos em 2018

Foram 1,3 mil casos notificados de dengue, dos quais 53 foram confirmados. Desses, 33 foram transmitidos dentro do estado, 25 são de residentes em Itapema, sete de Balneário Camboriú e um de Camboriú.

Outros dez casos de dengue são considerados importados, foram transmitidos fora do estado. As vítimas residem: uma em Biguaçu, uma em Blumenau, uma em Canoinhas, uma em Florianópolis, uma em Itajaí, quatro em Joinville e uma em São José.

Até 1º de setembro, foram notificados 280 casos de febre chikungunya em Santa Catarina, dos quais 13 foram confirmados, 47 são considerados suspeitos e são investigados pelos municípios, mas nenhum na região. Foram notificados 60 casos de zika vírus, um permanece como suspeito e 4 como inconclusivos e também nenhum pelas redondezas.

A transmissão da dengue se dá pela picada do mosquito aedes aegypti. Quando esse mosquito pica uma pessoa contaminada com o vírus, passa a transportar o vírus da dengue durante toda a sua vida e transmiti-lo para as pessoas que picar após.

Prevenção

Algumas dicas que todo morador deve se atentar: não deixe água parada, destruindo os locais onde o mosquito nasce e se desenvolve, evita sua procriação. Deixe sempre bem tampados e lave com bucha e sabão as paredes internas de caixas d’água, poços, cacimbas, tambores de água ou tonéis, cisternas, jarras e filtros. Não deixe acumular água em pratos de vasos de plantas e xaxins. Coloque areia fina até a borda do pratinho. Entregue pneus velhos ao serviço de limpeza urbana, caso precise mantê-los, guarde em local coberto. Deixe a tampa do vaso sanitário sempre fechado. Permita sempre o acesso do agente de controle de zoonoses em sua residência ou estabelecimento comercial.

O que diz a prefeitura

Nossa reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da prefeitura de Itapema e mais uma vez, não obteve resposta. Entramos em contato com a secretaria municipal de saúde, para pedir o que vem sendo feito pelo órgão, mas também não responderam até o fechamento desta edição.