Material escolar, tem que pesquisar

241
Compartilhar

Volta às aulas

Na tarde de ontem, fomos em três estabelecimentos comerciais da cidade. A escolha foi aleatória, levando em conta o número de clientes nas lojas. Visitamos a Havan, no Morretes, as Lojas Milium, na Avenida Nereu Ramos, e o Ki-Skinão, na rua 238, na Meia Praia. Confira a matéria completa no nosso site. 

Janeiro e fevereiro são meses marcados pelas férias escolares, as crianças só querem saber de brincar, mas também é nessa época que muitos pais estão com listas na mão para comprar os materiais escolares. A oferta de produtos é grande, mas é preciso estar atento para não gastar além do necessário e manter as contas em ordem.

Cleyton Amaral

Esse período de férias costuma ser também uma época de dor de cabeça para os pais: é hora de comprar o material escolar. O valor do material é uma despesa que registra aumento anualmente. Nossa equipe de reportagem foi às ruas com caneta e bloquinho na mão para anotar os preços. Ao total, foram 12 itens pesquisados e três locais diferentes visitados.

Muita cautela antes de ir às compras

O início do ano é um momento de preocupação para muitos pais que têm filhos em idade escolar. O valor do material é uma despesa que registra aumento. Produtos estampados com personagens, os preferidos entre crianças e adolescentes, costumam ser mais caros, por isso é recomendável os pais irem sozinhos às compras e pesquisar, vale a pena perder um pouco mais de tempo para pagar menos. A primeira dica, e mais importante, é a organização ao iniciar as compras. Na luta para economizar têm pais reaproveitando e negociando: vendem livros usados com preços bem mais baratos ou até trocam, sem pagar nada.

A administradora da Meia Praia, Claudia Nigri Sepulveda, mãe de dois meninos, relata que com a crise ainda assombrando os lares, a saída é bater pernas. “Para os meus dois filhos, eu acho que vou economizar uns R$ 700. Do mais novo, que está indo para o sétimo ano, eu vou economizar praticamente todos os livros e do mais velho, talvez a metade eu consiga. Além do material escolar tem outras despesas como transporte, alimentação, mensalidades…”.

Nossa pesquisa

Na tarde de ontem, fomos em três estabelecimentos comerciais da cidade. A escolha foi aleatória, levando em conta o número de clientes nas lojas. Visitamos a Havan, no Morretes, as Lojas Milium, na Avenida Nereu Ramos, e o Ki-Skinão, na rua 238, na Meia Praia. Confira.

Havan

Lápis preto: Conjunto com 4 – R$ 4,99

Caneta Esferográfica: – R$ 3,99 e R$ 4,99

Lápis de Cor (12 cores): – R$ 12,99

Cola tenaz 90g: – R$ 1,49 a 3,99

Tesoura escolar: R$ 9,99 de personagens

Papel oficio (100 folhas): R$ 5,41

Caderno 48 folhas: R$ 1,99

Caderno 96 folhas: R$ 2,99

Caderno (10 matérias): a partir de R$ 19,99

Giz de cera: R$ 7,99

Canetinha: R$ 14,99

Caderno de desenho: a partir de R$ 14,99

Lojas Milium

Lápis preto: R$ 0,80 unidade

Caneta Esferográfica: Conjunto com 3 – R$ 4,60

Lápis de Cor (12 cores): R$ 12,80

Cola tenaz 90g: R$ 2,99

Tesoura escolar: R$ 4,30

Papel oficio (100 folhas): R$ 3,18

Caderno 48 folhas: R$5,90 (personagens)

Caderno 96 folhas: R$3,20

Caderno (10 matérias): R$ 8,40

Giz de cera: R$ 1,30

Canetinha: R$ 11,90

Caderno de desenho: R$ 16,90

Ki-Skinão

Lápis preto: R$ 1,00 a unidade

Caneta Esferográfica: R$ 0,80 a unidade

Lápis de Cor (12 cores): R$ 9,99

Cola tenaz 90g: R$ 2,49

Tesoura escolar: R$ 2,99

=Papel oficio (100 folhas): R$

Caderno 48 folhas: R$5,99

Caderno 96 folhas: R$ 5,99

Caderno (10 matérias): R$ 7,99

Giz de cera: R$ 1,99

Canetinha: R$ 3,99

Caderno de desenho: R$ 16,99

 

*Os valores estão sujeitos a alteração conforme cada estabelecimento.

O que não pode ser pedido na lista de material escolar

A Lei 12.886/13 proíbe a inclusão na lista de material escolar do aluno materiais de uso comum (papel higiênico, copos descartáveis, talheres, tinta para impressora, giz, produtos de higiene, limpeza, atividade de laboratório, etc.), nem os utilizados na área administrativa, muito menos taxas para suprir despesas com água, luz e telefone. As escolas não podem solicitar ainda material geralmente destinado à decoração das festinhas que preparam em datas comemorativas (tintas, EVA, colas quentes, plástico oficio, etc.). Lembre-se, ainda, de exigir nota fiscal. Os prazos para reclamar são: 30 dias para produtos não duráveis e 90 dias para os duráveis. Fique atento aos seus direitos. Afinal, consumidor consciente é consumidor informado.