Multas de trânsito poderão financiar tratamento do câncer de mama em hospitais públicos do país

209
Compartilhar

Aproximadamente R$ 800 milhões poderão ser repassados para o Sistema Único de Saúde (SUS) por ano para o tratamento de câncer de mama no país. É o que prevê um projeto de lei aprovado na Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados. O texto quer que 10% da arrecadação das multas de trânsito seja destinada para este fim.

O recurso será distribuído em parcelas mensais pelo Ministério da Saúde para hospitais públicos que realizam tratamento e a reparação do câncer de mama. Hoje, o dinheiro arrecadado com as multas é exclusivamente para o trânsito, como sinalização viária, obras e educação.

A relatora do texto na Câmara, deputada Tereza Nelma (PSDB-AL), está em tratamento de câncer e destacou que é preciso medidas como esta para financiar o tratamento da doença no SUS. “Eu quero muito, enquanto eu estiver por aqui. Às vezes eu digo que não tenho muito tempo, mas eu vou ter se eu melhorar essa qualidade de vida, melhorar essa situação da saúde para as mulheres, porque o câncer de mama mata. Não é justo quando você vê que o homem já foi à lua, já se criou a fibra óptica, que tem a tecnologia e você encontra uma mulher com a mama em couve-flor podre, porque não houve o tratamento, não houve o olhar. É muito triste se existe tantos recursos se o nosso orçamento tem tanto para as forças armadas, para a segurança, e para a nossa saúde, onde estão os recursos?”, questiona a parlamentar.

O deputado delegado Antônio Furtado (PSL-RJ) apoiou o projeto e destacou que, neste momento de pandemia, é preciso cada vez mais recursos para a saúde. “Viabilizar, especialmente para as mulheres que têm dificuldades financeiras e a pandemia agravou a situação, para que essa receita possa vir no percentual das multas de trânsito. Eu preciso destacar, também, que com o avanço da pandemia em escala mundial, nós sabemos que o SUS não tem, hoje, condições de receber os pacientes contaminados pela Covid, o que atrasa ainda mais cirurgias de mulheres que precisam do tratamento, precisam retirar a mama, ou seja, mulheres que a cada dia correm mais risco de vida por conta do colapso que o SUS hoje enfrenta no Brasil”.

Dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA) estimam que por ano sejam diagnosticados, no Brasil, mais de 66 mil novos casos de câncer de mama. O projeto de lei ainda será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família, de Viação e Transportes, de Finanças e Tributação, e de Constituição e Justiça e de Cidadania na Câmara dos Deputados.

 

Fonte: Rede de Notícias Regional /Brasília