Nilza Simas não convence com a história do “Caminhão Hidrojato”

926
Compartilhar

Cadê explicação?

Em entrevista, presidente da Conasa denuncia ainda que entrave da prefeitura de Itapema fez com que 1 bilhão e 380 milhões de litros de esgoto fossem jogados nos rios Bela Cruz e Fabrício.

Passados cerca de 20 dias do flagrante de um caminhão de hidrojateamento da prefeitura de Itapema, despejando um liquido de cor muito escura a 200 metros acima da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), no bairro Morretes, a população ainda cobra uma resposta concreta da administração pública.  A nota oficial emitida não foi o suficiente para convencer os itapemenses de que não houve um suposto crime ambiental. Logo em seguida ao flagrante que viralizou nas redes sociais, a própria prefeita deflagrou uma operação na estação de tratamento de esgoto.

O flagrante

O vídeo começou a “pipocar” nos grupos de WhatsApp e Facebook no início deste mês. Nas imagens fica visível o caminhão da prefeitura de Itapema despejando algum material em uma vala no Rio da Fita. As imagens deixaram muitos internautas revoltados e algumas pessoas denunciaram que o caminhão estava despejando, na verdade, resíduo de esgoto no rio. A população ainda está com a pulga atrás da orelha com a prefeita Nilza Simas, fato é que depois do flagrante de despejo irregular (mesmo que não fosse esgoto, aquele resíduo não deveria ser descartado daquela maneira), conforme explicou Mario Marcondes, presidente da Conasa Águas de Itapema. “Independente do liquido, seja esgoto ou água da chuva, não se pode descartar assim. Tem toda uma legislação ambiental que não foi respeitada”, alerta.

A Administração Municipal de manifestou por meio de nota informando que o caminhão de hidrojato é utilizado para desobstrução de bocas de lobo e não esgoto e que o veículo estava no local fazendo a limpeza de drenagem de valas. Resposta não convenceu, ainda mais que até agosto de 2017, a própria prefeitura depositava este resíduo na ETE, sem custo algum aos cofres públicos. Porém, não se sabe o porquê que a partir de agosto de 2017, a prefeitura nunca mais usou a estação para dar o correto fim ao resíduo.

As elevatórias

Em entrevista a nossa reportagem, Mario Marcondes, presidente da concessionária, também alerta para outro suposto crime ambiental agora envolvendo os rios Fabricio e Bela Cruz. Conforme informou Marcondes, a rede coletora de esgoto no Centro e até o Canto da Praia estavam prontas desde dezembro 2016. “As obras pararam devido a temporada e retornaram em março de 2017. Em maio daquele ano, segundo Marcondes, a Conasa solicitou à prefeitura os alvarás para as elevatórias. Porém, devido a entraves na prefeitura (eles argumentam que faltava uma licença), concessionária diz que tinha, os alvarás só foram expedidos cerca de um ano e três meses depois, quando o Ministério Público Federal de Itajaí questionou a demora. Fizemos uma soma e neste período foram despejados nos rios Bela Cruz e Fabrício cerca de 1 bilhão e 380 milhões de litro de esgoto, o que equivale a cerca de 340 reservatórios de água tratada da Conasa”, explica Marcondes.

Confira a nota

A Prefeitura de Itapema, por meio da Secretaria de Obras e Transportes, esclarece que as informações atreladas a um vídeo sobre um possível descarte de esgoto por um caminhão da própria Prefeitura são falsas. O caminhão de hidrojateamento é utilizado apenas para desobstrução de bocas de lobo e não esgoto. Na ocasião o mesmo havia realizado a limpeza de drenagem no bairro Morretes e Meia Praia.