16.6 C
Itapema
segunda-feira, julho 15, 2024
mais
    InícioSanta CatarinaColuna Pelo EstadoPelo Estado Entrevista: Vanir Zanatta, presidente da Ocesc

    Pelo Estado Entrevista: Vanir Zanatta, presidente da Ocesc

    Em:

    Em Destaque

    “As cooperativas exercem importante papel, contribuindo com a dinamização da economia e a geração de empregos”

    Vanir Zanatta, presidente da Ocesc

    Foi eleito este mês o novo presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (OCESC), Vanir Zanatta. O novo presidente sucede a Luiz Vicente Suzin, que encerrou seu segundo mandato à frente da instituição.

    Vanir Zanatta tem 59 anos de idade. É natural de Jacinto Machado (SC). Graduou-se em Ciências Contábeis pela Univille, de Joinville (SC). Em 2006 cursou Gestão de Cooperativas pela Unisul. Pós-graduou-se em Administração pela Unesc. Há 34 anos é presidente da Cooperativa Agroindustrial Cooperja, de Jacinto Machado. É sócio-fundador da Credija (Cooperativa de Crédito de Livre Admissão de Associados Litorânea), a qual presidiu por 14 anos. Também foi fundador e presidente da Acijam (Associação Empresarial de Jacinto Machado).

    É presidente da Brazilrice (Cooperativa Central Brasileira de Arroz). Ocupa a vice-presidência da Fecoagro (Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado de Santa Catarina), é representante do ramo agropecuário das cooperativas catarinenses junto a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e membro na Câmara Setorial do Arroz Nacional pela Brazilrice.

    Zanatta também presidirá o Conselho de Administração do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo de Santa Catarina (SESCOOP/SC) e conversou com a coluna sobre seu futura à frente da entidade.

    Pelo Estado – Esta semana foi apresentado o balanço do cooperativismo de Santa Catarina em 2023. Como o senhor avalia os resultados?

    Vanir Zanatta – Os resultados são amplamente positivos e animadores. Houve crescimento em movimento econômico, receita operacional, exportações e no quadro geral de cooperados, como chamamos os associados.

    PE – Um dos dados mais relevantes é a expansão no número de cooperados, que cresceu 9,6%. A que fator o senhor credita este crescimento?

    Vanir Zanatta – Os catarinenses demonstram uma extraordinária vocação para o associativismo. Perceberam que o cooperativismo – que é uma das melhores formas de associativismo – tornou-se um caminho para o desenvolvimento das comunidades e o fortalecimento da economia. Acredito que essa é a explicação para esse fenômeno.  Veja que em 2023 o número de associados das nossas 249 cooperativas cresceu quase 10%, com o ingresso de mais de 370 mil pessoas. No conjunto, as cooperativas reúnem, agora, 4,2 milhões de catarinenses, o que representa mais da metade da população barriga-verde vinculada ao sistema cooperativista.

    PE – O agro continua sendo o “carro-chefe” do cooperativismo. Porém, a receita operacional em 2023 reduziu em 3% e uma das explicações seria o baixo desempenho no mercado interno. Poderia dar mais explicações sobre este mercado?

    Vanir Zanatta – As cooperativas do ramo do agronegócio tiveram um ano muito difícil, com elevação dos custos de produção, queda de preços no mercado internacional e baixo desempenho do consumo no mercado doméstico. Praticamente todos os grupos agroindustriais do setor de alimentos – em especial, os do segmento da proteína animal – tiveram resultados negativos.  Mesmo assim, as cooperativas do agronegócio foram, novamente, as mais expressivas na geração de empregos diretos e de receita operacional bruta, respondendo por 64% dos postos de trabalho e também por 64% das receitas globais do universo cooperativista.

    PE – A partir desses dados, qual a sua previsão para as cooperativas do agro catarinense? A tendência é manter esse crescimento?

    Vanir Zanatta – O ano de 2024 se apresenta com um cenário mais animador, sem indícios de escassez de insumos – especialmente milho e farelo de soja – e com lenta recuperação de preços no mercado internacional. Acreditamos ser possível um crescimento entre 10% e 15% neste período.

    PE – Outro dado apresentado no balanço foi o aumento do valor recolhido em impostos. Isso é reflexo do aumento da carga tributária ou esse valor aumentou por causa do aumento do número de cooperativas? 

    Vanir Zanatta – As cooperativas não gozam de benefícios fiscais, prova disso é que, no ano passado, recolheram R$ 3,4 bilhões aos cofres públicos em impostos sobre a receita bruta, um crescimento de 5% em relação ao exercício anterior. Esse aumento é fruto do movimento econômico e, ainda, não é reflexo da reforma tributária. O número de cooperativas permaneceu estável.

    PE – Quais os próximos projetos da Ocesc para o cooperativismo catarinense?

    Vanir Zanatta – Desejamos aumentar o protagonismo das cooperativas dos ramos de crédito, agropecuário e saúde, entre outros. Queremos aumentar nossa presença no mercado internacional. Iniciaremos um planejamento estratégico para a Organização e valorizaremos os vice-presidentes como legítimos representantes dos ramos do cooperativismo, tomando decisões estratégicas sempre em conjunto. Vamos reavaliar o regimento interno, criar conselhos consultivos por ramo, implementar o Conselho de Ética, ativar o Conselho Estadual do Cooperativismo (CECOOP) e dinamizar a representação sindical. Vamos prestigiar encontros de jovens e mulheres cooperativistas e o Fórum de Dirigentes Cooperativistas, estimular a sucessão nas propriedades rurais e nas cooperativas e, além disso, fortalecer a Frente Parlamentar do Cooperativismo de Santa Catarina (Frencoop).

    PE – Quais serão os principais pilares da sua gestão?

    Vanir Zanatta – Estamos iniciando uma jornada que, acredito, será muito gratificante graças à participação dos dirigentes cooperativistas, do corpo técnico do Sistema Ocesc/Sescoop-SC e dos cooperados. Manteremos a honrosa tradição do cooperativismo catarinense de ser uma das locomotivas da economia catarinense, contribuindo para uma sociedade mais humana e fraterna, com alta taxa de desenvolvimento.

    PE – O senhor é o primeiro líder cooperativista do Sul de SC a comandar a Ocesc. Como o senhor analisa este cenário do cooperativismo na região?

    Vanir Zanatta – É com muita honra e sentimento de responsabilidade que assumo o Sistema Ocesc/Sescoop-SC como o primeiro presidente do sul de Santa Catarina, atribuindo essa eleição  a um gesto de generosidade dos meus companheiros dirigentes cooperativistas e a uma homenagem ao sul barriga-verde. As cooperativas exercem importante papel na região, contribuindo com a dinamização da economia e a geração de empregos nas áreas urbanas e rurais.

    PE – Seu currículo tem uma vasta experiência no cooperativismo. Como todas estas experiências contribuirão para este novo desafio à frente da Ocesc?

    Vanir Zanatta – Acredito que essa experiência, fruto de longa vivência no universo cooperativista, é positiva na medida em que fazemos dela uma aprendizagem contínua e retiramos, humildemente, lições para o exercício dos cargos de direção e comando.

    PE – Na sua visão quais são os prós e contras para o desenvolvimento do cooperativismo em Santa Catarina?

    Vanir Zanatta – Não existe nenhum fator contrário ao desenvolvimento do cooperativismo em Santa Catarina porque, aqui, há uma cultura associativista muito forte. Ao contrário, só existem fatores de estímulo e incentivo. Temos uma política estadual de apoio ao cooperativismo definida em lei, uma atuante Frente Parlamentar do Cooperativismo e muitas ações que integram todos os setores da economia.

    > Clique aqui para ver a coluna Pelo Estado PE_entrevista_20-05-2024

    Produção e edição
    Por Celina Sales para APJ/SC e ADI/SC
    Contato: peloestado@gmail.com

    Cidades