Prefeito de Itajaí pede desculpas após abordagem da guarda contra adolescente; ‘Infeliz episódio’, diz

46
Compartilhar

Imagens divulgadas nas redes sociais mostram momento em que jovem de 17 anos é imobilizado por agentes. Conduta gerou revolta em algumas pessoas que passavam pelo local.

O prefeito de Itajaí, Volnei Morastoni (MDB), usou as redes sociais na noite de última quarta-feira (15) para pedir desculpas ao adolescente de 17 anos que vendia doces na rua e foi abordado por guardas municipais. O político classificou o episódio como “infeliz”. O pai do adolescente afirma que o jovem está recebendo doações de todo o Brasil após o ocorrido.

Vídeos divulgados nas redes sociais mostram o rapaz sendo imobilizado. Pelo menos cinco agentes participaram da ação (assista acima). O jovem chegou a ser levado para a delegacia. O caso ocorreu na segunda (13).

“Estou aqui, em nome do município de Itajaí e como prefeito de nossa cidade, para pedir desculpas ao jovem, a sua família e também a toda sociedade, pelo infeliz episódio ocorrido na última segunda-feira, na Rua Hercílio Luz, envolvendo a nossa Guarda Municipal. A Guarda de Itajaí foi criada para ser amiga da população. Uma guarda comunitária, com abordagens humanizadas, cuidando da segurança de todos, sem discriminação.

Infelizmente não foi isso o que aconteceu no fato ocorrido”, disse o prefeito no vídeo.
O prefeito informou que os profissionais possuem capacitação para agir “dentro da legalidade” e que “é inadmissível uma conduta diferente de tudo o que é preconizado”.
Segundo Morastoni, a administração mantém o contato com a família e está oferecendo ao jovem atendimento médico e psicológico.

Um procedimento de investigação preliminar será instaurado para a ação dos agentes pela corporação. Os profissionais seguirão atuando nas ruas de Itajaí. A prefeitura abriu uma sindicância ainda na segunda-feira para apurar os fatos.

Doações
Depois da repercussão do caso, algumas pessoas se mobilizaram para oferecer condições para que o jovem realize o sonho de se tornar integrante da força militar. Segundo o pai do garoto, cursos de inglês, computadores e materiais escolares estão chegando de todas as partes do país.

O jovem vendia os doces para complementar a renda da família e poder investir na carreira militar.

Contudo, o pai do adolescente disse que o ocorrido pode prejudicar o sonho do filho. Consta no boletim de ocorrência que o jovem cometeu resistência à prisão, desobediência e lesão corporal contra os agentes, que afirmam ter se machucado na abordagem.

“A mancha fica e o Exército Brasileiro é bem rígido nesta situação. E a gente tem medo que essas informações na internet possam prejudicar a gente de alguma fora. Estamos lutando para tentar retirar as acusações dele”, afirmou o pai do rapaz, que não quis se identificar.
O caso foi registrado na Central de Plantão Policial de Itajaí. Depois, segundo a Guarda Municipal, o jovem foi encaminhado ao Instituto Geral de Perícias (IGP), em Balneário Camboriú, na mesma região, para a realização do exame de corpo de delito.

Com a chegada do pai, o adolescente foi liberado e precisou passar por atendimento médico. Um guarda municipal também recebeu atendimento de saúde após o caso.

O que diz a Guarda Municipal
A Guarda Municipal de Itajaí informou na terça-feira (14), que não vislumbrou necessidade de afastamento dos guardas municipais envolvidos na abordagem.

“De acordo com os elementos colhidos até o momento, a análise dos relatórios de ocorrência, filmagens e depoimentos, não se vislumbra a necessidade de afastamento dos guardas municipais envolvidos na ocorrência. A partir de agora, será instaurado procedimento de investigação preliminar, que visa a averiguação de todos os fatos e, caso seja constatado algum excesso, as medidas cabíveis serão tomadas”, informou a corporação.

A Guarda Municipal afirma que toda a atuação dos agentes está embasada em um “Procedimento Operacional Padrão, o qual é atualizado segundo as melhores doutrinas policiais”.

Em um dos momentos do vídeo, um guarda joga spray de pimenta no rosto de moradores que disseram que o vendedor estava sendo enforcado.

“[…] temos que alguns populares, ainda que poucos, mal intencionados, arremessaram objetos diversos contra os Guardas Municipais (desde tamancos até garrafas). Por esse motivo, houve a necessária intervenção dos agentes que, com o intuito de dispersar a multidão, utilizaram o spray de pimenta”, conta na nota.

Um sexto homem sem farda também aparece nas imagens. Ele está armado e não possui qualquer tipo de identificação. Segundo a corporação, não foi possível identificá-lo.

“Provavelmente se trata de algum agente de segurança pública que estava de folga no momento da ocorrência e prestou o apoio inicial quando se iniciou a aglomeração de pessoas em volta da guarnição”, informou a Guarda Municipal.

Abordagem
Segundo a Guarda Municipal, a ação foi motivada para prestar apoio a servidores públicos municipais (fiscais e auditores da prefeitura) que estariam sendo ameaçados pelo jovem durante o desempenho de suas funções na rua Hercílio Luz por volta das 15h30 de segunda.

“O primeiro pedido de apoio, no mesmo sentido, foi às 14h, onde a guarnição deslocou até o local mas não encontrou nenhum dos envolvidos. Por volta de 15h, a ocorrência foi gerada e despachada novamente para a guarnição responsável pelo setor”, afirma a corporação em nota.

Na segunda tentativa, os agentes localizaram os envolvidos. “Com a chegada do apoio da Guarda Municipal, os auditores e fiscais da Prefeitura Municipal abordaram o indivíduo, que não acatou as ordens dos agentes, ensejando a necessária intervenção deste Órgão”.

A Guarda Municipal ainda afirma que o jovem é “conhecido por atrapalhar e ameaçar constantemente os servidores públicos municipais que desempenham as funções de fiscais e auditores no local. A Guarda Municipal de Itajaí já havia apoiado os fiscais do município em ocorrências envolvendo o indivíduo, mas diante do Órgão ele nunca havia se excedido e motivado abordagem”.

Os agentes envolvidos na ação seguem trabalhando. O coordenador da Guarda Municipal, Marco Antônio Otávio, afirmou que o spray de pimenta foi utilizado para proteger os guardas e o adolescente, já que durante a abordagem, algumas pessoas jogaram objetos contra os agentes.

O que diz a Polícia Civil
A Polícia Civil informou que o jovem cometeu ato infracional análogo a desacato, resistência e lesão corporal e por isso foi conduzido à delegacia. Nesses casos, o protocolo é que adolescentes precisam esperar em um cela, porém separados dos demais detidos, pela chegada dos pais.

Com informações G1/SC