Prefeitura de Itapema comete equívoco e confunde derivação com “by-pass”, diz concessionária

377
Compartilhar

Saneamento


Prefeitura de Itapema comete equívoco e confunde derivação com “by-pass”, diz concessionária

Em mais uma ação para acabar com o despejo irregular de esgoto, a Polícia Ambiental e Militar juntamente com representantes da Prefeitura de Itapema e da Fundação Ambiental Área Costeira (FAACI) verificaram nesta quinta-feira (07/03) denúncias no Parque Calçadão na Meia Praia. Nas proximidades da elevatória da Conasa na Rua 205 foi constatada a existência de mais um “by-pass”, sistema usado para casos emergências de escoamento.

Assim como na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), mais uma vez não foi apresentado o projeto da instalação desse sistema no local se aberto e esgoto bruto sai daquela tubulação, vai parar diretamente no mar. A Conasa acordou com os representantes das Polícias da FAACI e Prefeitura que irá desativar e lacrar definitivamente o dispositivo, que segundo eles não é usado. A investigação continua por meio dos órgãos competentes. A operação seguiu na altura da Rua 225 e Rua 237, onde foi constado apenas a tubulação de distribuição de água.

“Vamos dar continuar na fiscalização e todas as denúncias. Seguimos incansáveis na busca pela solução do descarte irregular de esgoto. Nosso maior patrimônio é o nosso povo e este mar que banha nossa cidade”, declarou a Prefeita Nilza Simas.

Contraponto da concessionária

Em nota, a Conasa se manifesta sobre o ocorrido

“Na ânsia de encontrar culpados para o despejo irregular de esgoto, fiscalização incorre em gafes desnecessárias.  A descoberta de um possível by-pass irregular no Calçadão da Meia Praia mobilizou a cidade nesta quinta-feira. Na verdade, tudo não passou de um grande equívoco. O tal cano que apareceu ali foi colocado muito tempo atrás, no final de janeiro de 2012, quando funcionários da Autopista Litoral Sul, trabalhando na Marginal Oeste para colocar a fiação de fibra ótica para instalação das câmeras de monitoramento da BR 101, acabaram rompendo um emissário de esgoto no trecho entre as ruas 205 e 207.

Para conter maior derramamento de esgoto – o que causaria impacto ambiental de grande monta – foi tomada a decisão de construir uma derivação como solução paliativa até o conserto em definitivo do emissário rompido. Tal decisão foi definida em comum acordo com engenheiros da Conasa Águas de Itapema e o prefeito na época, Sabino Bussanelo, em deliberação com a presença da então vereadora Nilza Simas – atual alcaide.

O fato foi amplamente divulgado pelas mídias não apenas de Itapema e região, mas em todos os veículos de comunicação do Estado, em função da gravidade do episódio. Parte da Meia Praia foi interditada para evitar a contaminação das pessoas e areia afetada foi retirada e levada para a Estação de Tratamento de Esgoto da Conasa – que providenciou o correto destino a aterros sanitários. Em tempo, o equipamento “By-pass” é obrigatório dentro de todas Estação de Tratamento de Esgoto, cumprindo determinação da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)”.