Presidente da FECAM renuncia, após ser preso por suspeita de corrupção na Prefeitura de Major Vieira

264
Compartilhar

SC Portais

Esta é a segunda fase na operação Et Pater Filium, que realizou diligências em Major Vieira, Papanduva e Monte Castelo, na região do planalto norte catarinense.

Na manhã desta segunda-feira, 13, o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e a Polícia Civil iniciaram a segunda fase na operação Et Pater Filium, cumprindo dois mandados de prisão preventiva. Um dos detidos é o prefeito de Major Vieira e agora ex-presidente da Federação Catarinense de Municípios (FECAM), Orildo Severgnini (MDB). Após a prisão, Severgnini, que assumiu o comando da entidade em 4 junho – optou pela renúncia.

Além dos dois mandados de prisão preventiva, foram cumpridos 11 de busca e apreensão, expedidos pelo Tribunal de Justiça do Estado de Santa Catarina, em razão do foro por prerrogativa de função do principal investigado.

As diligências foram realizadas em Major Vieira, Papanduva e Monte Castelo, na região do planalto norte catarinense. A segunda etapa da operação Et pater filium foi deflagrada apenas 12 dias depois da primeira, em 31 de julho.

A operação investiga organização criminosa voltada para a prática de corrupção, fraude à licitação e lavagem de dinheiro, a maioria no ramo de construção civil.

A expressão em latim Et pater filium – O pai e filho – foi usada na operação, porque estão associados aos atos de corrupção duas duplas de pai e filho: empresários, de um lado, e funcionários públicos, de outro.