Rodrigo Bolinha, ex-prefeito de Itapema, fala com exclusividade ao jornal A Hora

697
Compartilhar

#Entrevistão

#Exclusivão

Esta foi a primeira vez que o tucano falou com a imprensa, após as eleições de 2016. No bate-papo, Bolinha fala sobre a cidade, sobre a sua saída da prefeitura, sobre sua gestão frente ao município durante quatro anos.

Cleyton Amaral

Após as eleições de 2016, o ex-prefeito de Itapema, Rodrigo Bolinha (PSDB) tirou um tempo para reavaliar sua carreira política. Na tarde da última sexta-feira (23), o tucano falou com exclusividade ao nosso veículo. Argumentou sobre o atual governo, e de como nossa a nossa cidade precisa avançar em muito nas áreas de saúde, educação, esporte e infraestrutura. Confira!

A gestão Bolinha

O governo de PSDB que venceu o pleito em 2012, iniciou em 1ª de janeiro de 2013 e encerrou em 31 de dezembro de 2016. De acordo com Rodrigo Bolinha, prefeito eleito na ocasião, do início do mandato até meados de 2014, a gestão caminhava bem, porém chegou a crise financeira que afetou o país como um todo. E, consequentemente, os municípios. Nas palavras de Bolinha, mesmo com a crise, o governo não deixou de avançar. “Tivemos que reavaliar nossas metas e investimentos, mas sempre prezei pela educação e saúde”, afirma.

Educação

No que tange à educação, ressalto um projeto que deu muito certo, que foi a implementação do Sistema Positivo nas escolas. Nós conseguimos igualar o nível de educação, que, infelizmente, foi interrompido pelo atual governo, o que eu lamento muito, pois o projeto realmente se mostrou eficaz e deu bons resultados. Tanto que os índices nas escolas municipais ficaram acima do esperado. Teve até casos de pais tirarem seus filhos da rede particular para a pública, devido à qualidade, porque realmente havíamos conseguido gerir o ensino com mais qualidade.

A começar pela merenda escolar, que sempre teve atenção especial em nosso governo, que sempre foi de qualidade. O material escolar, por exemplo, sempre foi acompanhado das apostilas do Sistema Positivo. O Uniforme era completo. Eu fui o único gestor que nos quatro anos ofertou aos estudantes o uniforme completo (tênis, meia, agasalho – uniforme de verão e inverno). Lamento muito que a atual administração não julgou interessante prosseguir com o projeto. Cheguei a ouvir uma frase deste atual governo que me entristeceu muito, que o Sistema Positivo era um gasto desnecessário. Quando se fala em educação nunca é gasto, e, sim, investimentos. Tanto que investimos além do que a lei exigia, pois investia com gosto, pois educação e saúde são os pilares da nossa sociedade.

Saúde

Saúde no Brasil é um grande problema. Quando se fala em municípios, a situação tende a ser pior. Entretanto, assim como a educação, a saúde sempre foi prioridade em minha gestão. Quando cheguei à administração em 2013, a saúde da cidade contava apenas com 17 profissionais especialistas. Quando saindo em 2016, o quadro de médicos especialistas era de 33 profissionais. Médico clínico geral apenas oito, deixamos com 15 clínicos nas unidades. As equipes de saúde da família também estavam incompletas, novamente deixamos o quadro completo.

As ofertas de serviços na saúde no início era de 50 mil/mês, triplicamos este índice deixando em 150 mil/mês. Nossa gestão foi uma que mais investiu na área da saúde. Durante nossos quatro anos investimos quase 20% e a legislação exige apenas 15%. A lista de medicamentos na farmácia era infinitamente maior. No hospital também conseguimos dar um novo gás. Tanto que uma conversa com o promotor João Alexandre, ele mesmo ressaltou que antes recebia inúmeros procedimentos de queixa do hospital, e que na nossa gestão, essas reclamações caíram consideravelmente.

Claro é fácil falar utopicamente em construir um novo hospital, não que não considere realmente necessário, se tivesse condições também o faria na minha gestão, pois a estrutura é a coisa mais simples do processo. Dizem que o hospital está orçado em R$ 10 milhões, ela pode até fazer, porém o custo mensal para manter será, no mínimo, de R$ 2 a 3 milhões mensais. Pergunto a atual administração, de onde virá este recurso??

 

Obra e infraestrutura

Itapema tem cerca de 52 mil quilômetros quadrados. Muitas estradas ainda estão sem pavimentação por incrível que pareça, principalmente nos bairros. Deixamos uma marca de 150 ruas pavimentadas, algumas com recursos próprios, outras por meio de emendas de deputados e, principalmente, em parceria com a comunidade. Isso muito me alegrou. Foram dezenas de vias pavimentadas com a ajuda da nossa população. Sempre dei preferência por ruas onde houvesse um prédio público (posto de saúde, escolas, creches…) e ruas principais, como ligações entre bairros.

A exemplo no bairro Alto São Bento, na rua 810, toda pavimentada, do Casa Branca até o Várzea. O Morro Novo Horizonte (conhecido popularmente como Morro da Linguiça), também todo pavimentado. Nesta obra vale destacar que foi utilizado 100% de recursos próprios. Nossa gestão teve um alto índice de investimentos com recursos próprios. Outra obra com recursos da prefeitura foi a reurbanização da Avenida Nereu Ramos, na Meia Praia. Somente esta obra, onde a macrodrenagem havia destruído, foram investidos cerca de R$ 4 milhões, do Shopping Andorinha até a ponte do Rio Perequê.

Outra grande obra que representou em muito na vida dos itapemenses foi a ligação entre os bairros Jardim Praimar e Morretes. A Rua 462 A, tinha aquela imensa vala que destruía a comunidade, afeta em cheio a saúde dos moradores. Só para se der uma ideia, para fechar a vala foram necessários 1.800 tubos de dois metros, pois a via tem 900 metros e foram colocados nos dois lados. Uma obra com recursos do Badesc de aproximadamente R$ 4 milhões destinado ao binário, que vai da rua 462 A, até a 426, toda iluminada, com ciclovia, sinalização, lombadas. Uma obra que realmente trouxe qualidade de vida para a população que mais precisa. Deixamos prontos também os projetos dos Molhes da Marina, no Canto da Praia, do Molhe do Rio Perequê, do Rio Bela Cruz.

 

Revitalização da Orla do Ilhota

Uma obra que também merece ser destacada. A Implantação de pontos de observação de guarda-vidas com banheiros. A obra que resultou na revitalização de 450 metros da orla do Bairro Ilhota. A revitalização também contou com pavimentação do tipo paver, criação de ciclovia e passeio para pedestres. Além disso, também foi construído o deque de madeira previsto no projeto para aumentar o bem-estar e a convivência dos frequentadores. Foram implantados bancos e escadas, garantindo a acessibilidade à praia.

 

A ponte da Rua 115

Confesso que esta ponte pesou um pouco em meu governo, afinal, foi na minha gestão que tivemos que derrubá-la. No dia não me encontra em Itapema, estava na Capital. Recebi uma ligação do secretário de Obras na época, vereador Marinho, me informando da gravidade. Imediatamente retornei. De início não queria acreditar que fosse realmente necessário derrubar a ponte, mas com a Defesa Civil e com os engenheiros da prefeitura nos apontaram com laudos que era realmente necessário. Como primo muito pela segurança, realmente acabamos derrubando a ponte. Porém, no outro dia já estava empenhado atrás de recursos e uma solução. Tive na época a confirmação por parte da Defesa Civil do Estado que a cidade receberia um kit ponte, sabe, aquela pré-moldada, e caberia a nós somente fazer as cabeceiras.

Formulamos o projeto, porém, como era um ano eleitoral, não tivemos tempo hábil para executar. Entretanto, no dia 31 de dezembro de 2016, a ponte já estava licitada e com o projeto pronto, que foi feito pela AMFRI. Em outubro ainda de 2016, foi feita a licitação, porém, como estávamos em campanha eleitoral, a licitação ficou suspensa para que no próximo ano fosse concluída. Fiquei com esta responsabilidade durante oito meses. Neste período corremos atrás de recursos, do projeto, devido aos entraves de ser um ano eleitoral, todo o processo ficou pronto, apenas para que a próxima gestão executasse.

O engraçado é que já se passaram 15 meses e ela continua sem solução. É uma obra importante para a cidade. Assumo minha parcela de responsabilidade durante estes primeiros oito meses. Ressalto que deixamos tudo pronto, em ponto de bala, era só executar!

 

Esportes e lazer

Nessas áreas poderíamos ter avançado mais, confesso. Todavia, quando assumi, o município não contava se quer com um ginásio decente.  Tinha um ginásio no bairro Morretes que foi inaugurado na gestão anterior a minha que se quer havia piso. A bem da verdade aquele ginásio do Morretes foi realmente inaugurado e entregue à população para usufruto em minha gestão. Com isso podemos atender a partir daí mais de 700 crianças nas escolinhas. O próprio campo do Morretes que estava inutilizado há alguns anos, foi realizado a construção dos vestiários, gramado novo. E o que se vê hoje é que ele novamente foi esquecido pela administração.

 

Transição de governo.

Esta é a primeira vez que me manifesto publicamente desde que deixei o cargo de prefeito. Agradeço ao jornal A Hora pelo convite. Bom, durante estes 15 meses de mandato já era para a administração da atual prefeita está estabilizada. Fizemos a transição de governo de forma pacifica, havia uma comissão. O que não aconteceu comigo quando assumi em 2012, e senti na pele o quão isso dificulta para o gestor. Coloquei tudo à disposição da comissão de transição, tanto que nesta comissão havia membros do nosso governo e do governo de Nilza. Porém a atual prefeita não compareceu em nenhuma destas reuniões, não sei os motivos, mas houve sim um processo de transição.

Tudo o que havia sido feito e de como estava a máquina naquele momento. Só de projetos conveniados com a Caixa Econômica Federal e emendas de deputados para execução foram deixados quase R$ 7 milhões e meio. Os projetos de execução dos Molhes da Marina no Canto da Praia, da Orla Do Centro, obras no Canto da Praia, bem como o projeto de reurbanização da Avenida Nereu Ramos, no Centro, tudo pronto.

Pagamos todos os salários e rescisões. Destaco que sempre priorizei o servidor público, pois eles são a engrenagem que faz a máquina funcionar. Tanto que concedi todos os aumentos solicitados pelo sindicato em todos os anos. Pois direito do servidor não se negocia, se concede. A dívida deixada para a atual administração foi de um pouco mais de R$6,5 milhões, o que representou aproximadamente 10 dias de arrecadação no ano de 2017, onde a atual gestão arrecadou cerca de R$ 18 milhões a mais que em 2016.

Encerramento

Ao longo de 12 anos de serviços prestados ao município, oito como vereador na Câmara e mais quatro como prefeito, tenho a sensação de ter feito um bom trabalho para nossa querida Itapema. Algumas contribuições que ainda vale citar foram as elaborações dos planos municipais de Educação, Turismo, Assistência Social, Cultura e de saneamento básico, este último obrigatório desde 2008, além da discussão do novo Plano Diretor da Cidade.