Rudimar Nascimento, o homem da cultura em Itapema

747
Compartilhar

Mês do Folclore

Neste mês de agosto, comemora-se o dia do Folclore, para celebrar esta data, conversamos com uma das pessoas que mais fomentam a cultura em nossa cidade. Todos conhecem o Rudimar, sendo o professor do Tropeiros. Mas você sabe quem é o Rudimar do Tropeiros?

Especial

Rudimar do Nascimento, nasceu em 05 de janeiro de 1980, em Passo Fundo, no Rio Grande do Sul. Cresceu na cidade de Tapejara, onde com sete anos já trabalhava vendendo picolé, pois vem de família humilde, que desde cedo todos precisaram trabalhar. Filho de Marli, irmão de Lindomar e Eliseu, começou a vida na tradição gaúcha em 1987, dançando no CTG Manoel Teixeira, quando ganhou uma bota do patrão do CTG, para que pudesse acompanhar o grupo. Aos 10 anos voltou a Passo Fundo com a família, e começou a frequentar o CTG Fagundes dos Reis, para continuar no mundo das tradições e da cultura, e participou das invernadas até a idade adulta. Também passou por grupos renomados como Tebanos do Igaí, CTG Getúlio Vargas, Grupo Terra Pampeana, Grupo de Etnias da UPF, e Guapos da Agronomia. Com esses grupos participou de vários rodeios estaduais, ENART’s, Festivais de Folclores, e em 1997 foi ao Paraguai participar de seu primeiro Festival Internacional. Em 2003, por opção da família, por conta de problemas de saúde da filha recém-nascida, firmou residência em Itapema, juntamente com a esposa Lisiane. Chegando aqui, trabalhou como frentista, garçom, e foi quando ajudava a administrar a lanchonete da família, onde hoje é o Shopping Latão, juntamente com a esposa, dançavam danças gaúchas para animar os clientes nas noites quentes de verão, e faziam sucesso com o chamamé. A partir disso, apareceu a oportunidade de ministrar um curso de danças gaúchas de salão para casais. Desse curso, formaram a primeira invernada artística de Itapema, que logo deu lugar ao então Grupo Folclórico Tropeiros do Litoral.

Tropeiros do Litoral

O Tropeiros foi fundado em 17 de abril de 2004, pelos professores Rudimar do Nascimento e Lisiane Gil da Cruz, e participa, há 16 anos, de eventos nacionais e internacionais. Com o objetivo de resgatar a cultura do sul do Brasil, é composto por aproximadamente 150 dançarinos nas seguintes etnias: açoriano, Ericeira, gaúcho, mexicana, argentina, diversas danças do folclore brasileiro, além de ballet e jazz. Com um projeto de inclusão social, tem turmas separadas por idades e recebe crianças desde os 2 anos de idade no ballet baby class, tem também turmas de ballet infantil e juvenil. Nas danças populares tem turmas nas categorias Mirim, Juvenil, Adulta e Veterana, além das turmas de Dança Gaúcha de Salão, em Itapema e Tijucas. Conta em sua trajetória, apresentações em festivais do Rio Grande do Sul, mais de 30 cidades de Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Bahia, Ceará, Goiás, Distrito Federal, Paraíba, Maranhão, além de Paraguai, Uruguai, México e Costa Rica.

Na capital dos Ultraleves

Em Itapema há 17 anos, com família constituída, esposo de Lisiane, Pai de Ketlyn (17) e Kelvyn (13), além de levar a cultura local para todos estes estados e países, Rudimar coleciona títulos expressivos como coreógrafo, participando de competições desde 2004. É Bicampeão Nacional do Festival de Criciúma, Tetracampeão do Santa Catarina Dança (coreógrafo Destaque em 2017), Tricampeão do Festival de Desterro de Florianópolis, Duas vezes Campeão do Festival Internacional de Danças de Joinville, considerado o maior do mundo, com o Grupo Adulto em 2016, e o Elenco Mirim em 2017, na categoria Danças Populares Meia Ponta, indicação de melhor bailarino para Kelvyn Gabriel, e recebeu o título de Melhor Grupo Mirim do Festival, concorrendo com todas as outras categorias. Entre tantos outros títulos, em 2018, ficou em 3º Lugar na Categoria Meia Ponta, com a coreografia Lendas e Cantigas Açorianas. Além de ter sido campeão do Festival de Vergara, no Uruguai, esteve se apresentando no 1º ENART pré-mirim, mirim e Juvenil, em Soledade-RS, em 2019.

Mas não é só de títulos em festivais que Rudimar se orgulha. Durante todos esses anos de vida ativa na cultura do município, idealizou e realizou grandes projetos, dos quais gosta de destacar alguns deles:

– foi Diretor artístico do Rodeio de Itapema, em 2006

– foi pioneiro ao realizar a Semana Farroupilha em 2010, dando continuidade nos anos de 2012, 2013, 2014, 2015, 2016 e 2017.

– realizou Musicais infantis, juntamente com a esposa e coreógrafa Lisiane: “O Quebra Nozes” (2010), “Alice no País das Maravilhas a Procura do Papai Noel” (2011), “As Princesas e o Livro Mágico” (2012), “10 anos do Grupo Folclórico Tropeiros do Litoral” (2014)

– colaborou na fundação das 2 Escolas de Samba de Itapema: Acadêmicos do Morretes e Unidos do Tabuleiro, em 2011 e 2012, também coreografando as comissões de frente e as alas das escolas.

– coordenou o Projeto de Inclusão Social “Cultura nos Bairros”, que contava com 23 oficinas culturais na cidade de Itapema, de 2008 a 2012.

– coordenador de eventos da Praça da Paz, através da Secretaria de Turismo e Cultura (2008 a 2012)

– foi diretor Geral do 1º Festival de Talentos – 2011

– recebeu Moção de Reconhecimento na Câmara de vereadores, em 2014, enquanto professor e coreógrafo do grupo Tropeiros do Litoral, pelos 10 anos de atuação em Itapema.

– é EMBAIXADOR DA PAZ pela UNIVERSAL PEACE FEDERATION THE INTERRELIGIOOUS AND INTERNATIONAL FEDERATION FOR WORLD PEACE.

– Idealizou e organizou o Encontro Internacional de Etnias de Itapema – 2016, 2017, 2018 e 2019.

– foi Vice Presidente do Conselho Municipal de Cultura na gestão 2015/2017, e membro representante da dança em 2017/2018.

– organizou a Festa da Tainha em 2017

– coordenou o Projeto de Inclusão Social “Cultura Para Todos”, em 2017

– recebeu Medalha de Mérito Legislativo na categoria Cultura, junto ao Grupo Tropeiros do Litoral, em 2017.

– organizou o Festival Costa Esmeralda Dança (2017, 2018 e 2019)

– é DELEGADO BRASILEIRO DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE FOLCLORE LATINOAMERICANO – AIFL desde 2018.

– é Delegado Estadual da WAPA (World Association of Performing Arts)

– realizou trabalhos de professor e coreógrafo em cidades de toda região, além do oeste catarinense, como Balneário Camboriu, Itajaí, Barra velha, Governador Celso Ramos, Tijucas e Piratuba.

Hoje atuando em Itapema e Tijucas, acredita que a cultura, se levada a sério, pode mudar a vida de crianças, jovens e adultos. Acredita na continuidade de seus trabalhos e projetos, e afirma que mesmo com todas as dificuldades sempre enfrentadas, continuará trabalhando pelas tradições, sejam elas locais, regionais, nacionais ou internacionais.