Seu Lelo: do mar à cancha de bocha

290
Compartilhar

Nossa Gente, Nossa História

Com um sorriso no rosto e uma imensa disposição para contar histórias, o nosso personagem deste final de semana da série especial é Manoel João da Silva, mas conhecido como Seu Lelo, de 91 anos. Nativo de Itapema, Seu Lelo, trabalhou na roça, nas plantações de mandioca e café, porém foi no mar que passou boa parte de sua vida. Outra grande paixão, além da amada, foi a bocha.

Cleyton Amaral

Sabedoria, ensinamentos, lições de vida, alegrias e momentos marcantes. A longa trajetória do itapemense Manoel João da Silva, que tem 91 anos de idade, é marcada por essas e milhares de outras memórias que hoje fazem parte da sua grande bagagem de vida. Quando nossa equipe chegou à sua casa, no Centro de Itapema, ele já nos aguardava, sentado, tomando um solzinho da manhã. Era 10h40min, estávamos um pouco atrasados, ele, gentilmente, não se importou. A prosa foi boa… foi até quase meio-dia.

Sempre ao lado da sua fiel companheira, com o qual é casado há quase 70 anos. Eles se conheceram aqui mesmo em Itapema. Ela era de fora, de Blumenau, porém sempre vinha passear. E foi num destes passeios que os dois se apaixonaram, casaram, tiveram 9 filhos. Hoje o simpático casal vive na mesma casa há quase quatro décadas e tem 17 netos e oito bisnetos.

Memórias

Várias lembranças estão impregnadas em sua mente e em seu coração, marcando todos esses anos de forma a nunca serem esquecidos. Trabalhador, marido, pai, avô e bisavô, sempre dedicado à família, o popular Lelo tem muito orgulho de ter sido o protagonista de sua própria história e de ter vivido tudo aquilo que estava a seu alcance. Tranquilamente em sua casa, ele recordou histórias da nossa cidade, da época em que era quase tudo mato.

Nascido no ao pé do morro, no bairro Várzea, filho de João Feliciano da Silva e Marisilda Pereira, o senhor de 91 anos começou a trabalhar na roça desde criança. Fizesse frio ou calor, o pequeno menino tinha o dever de auxiliar a família nos trabalhos da lavoura, na plantação de mandioca e café, entre outras tarefas.

Antes mesmo de terminar a pergunta sobre os principais valores que eram aprendidos durante a sua infância, ele já responde sem hesitar: aprendíamos que caprichar em cada ação que realizamos é fundamental, e para isso é necessário ter muita dedicação.

“Quando criança lembro que ajudávamos na plantação e na produção da farinha de mandioca e também do café. Era a nossa moeda de troca com outras famílias”, conta. Seu Lelo ficou na roça até os 15 anos, quando a idade chegou e ele queria sair, conhecer gente. A convite de um irmão, foi se aventurar no mar…. Um dos causos que ele conta foi de uma carga de sardinha que eles estavam levando para vender em Itajaí, quando o barco quase afundou… “Eu quis me jogar na água… as sardinhas já estavam boiando. Os mais experientes falaram para esperar e assim o fiz… saímos ilesos e vendemos todas as sardinhas. No mar a gente está protegido só por Deus mesmo. Tantas trovadas que passamos em alto mar, muitos sustos, mas não me arrependo de nada”, sentencia.

Outros amores

Algumas tarefas domésticas simples e as caminhadas pelas ruas do bairro e principalmente à cancha de bocha, marcam a pacata rotina do homem. Embora suas limitações tenham aumentado bastante com o passar dos anos, ele afirma que permanecer em casa sem ter muito a fazer não é tarefa fácil, após ter vivido tantos anos trabalhando incansavelmente no mar. A cancha de bocha foi, sem dúvidas, uma grande terapia para Seu Lelo. Aprendeu rápido e logo se tornou um dos melhores jogadores de Itapema, acumulando troféus. O seu carinho pelo esporte é tanto que amigos batizaram a cancha do Centro com seu nome. Hoje ele só observa, devido ao reumatismo, ficou difícil praticar a bocha. Mas conselhos de como vencer e estratégias, isso, ele tem de sobra.

Como vê o município

Quando questionado sobre sua cidade natal, as lembranças invadem sua mente e um largo sorriso lhe vem à face. Grande parte dos momentos da sua longa vida, bons ou ruins, foram vividos em sua querida cidade. Com tanta experiência e histórias vividas no município trazidas em sua bagagem, Seu Lelo pode avaliar muito bem Itapema atualmente. Para ele, as mudanças que ocorreram com o passar dos anos foram várias. Itapema mudou muito, transformando-se de uma pequena cidade com muitas atividades rurais e no mar, em um movimentado município com um comércio bastante forte, que tende apenas a crescer.