TRE-SC testa urnas com eleitores que relataram problemas no primeiro turno

582
Compartilhar

Em mais uma rodada de audiências públicas de preparação das urnas eletrônicas para as eleições 2018, na manhã desta terça-feira, em São José, o Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) testou os equipamentos com dois eleitores que relataram problemas na votação do primeiro turno.

Passo a passo

Eles acompanharam o passo a passo do funcionamento dos aparelhos, desde a inserção da mídia até a impressão do boletim final, votaram e conferiram a apuração simulada.

Um deles foi Márcio Silveira Duarte, eleitor de Florianópolis, que teve dificuldades na votação para deputado estadual. Segundo ele, ao digitar o terceiro número, a tela pulava para o cargo seguinte, de senador. Márcio conta que tinha muitas dúvidas sobre a urna que foram sanadas na audiência desta terça.

— Eu tinha uma dúvida se era problema da urna o meu voto ou se foi eu que digitei muito rápido. E creio que eu digitei muio rápido, porque hoje eu também vim com essa mesma “pressa”. O teclado do computar que leva muito a gente a fazer isso, digita uma senha e em seguida o enter rápido, sem olhar a foto, o que aparece na tela. Foi muito importante (participar do teste). Já confiava na urna e continuo confiando — declarou.

Durante o processo, foram registrados dois problemas. Inicialmente o sistema de leitura da biometria demorou a identificar a digital de Márcio, mas em seguida ele melhorou o posicionamento do dedo e a questão foi resolvida. Depois, na impressão do resultado, o papel emperrou dentro da urna e o boletim saiu danificado. A bobina foi trocada e os dados, reimpressos. Conforme o TRE-SC, essas são situações comuns e que não comprometem a credibilidade do sistema.

A audiência contou com a presença do presidente do tribunal, desembargador Ricardo Roesler, que destacou que todas as mais de 700 reclamações durante o primeiro turno serão respondidas e reafirmou a segurança das urnas e lisura do processo eleitoral.

A imprensa e representantes das duas chapas que estão no segundo turno da eleição ao governo do Estado também participaram do encontro, em que foram demonstrados os sistemas de segurança e feita uma votação paralela para mostrar a confiabilidade do resultado eletrônico.

— Estamos concluindo mais uma etapa do trabalho de transparência nesse trabalho incansável, de audiências públicas, e hoje temos alguns representantes de partidos políticos verificando in loco toda a segurança que a urna eletrônica confere ao eleitor — afirmou Roesler.

Com informações Diário Catarinense.