Vereador de Porto Belo pede reabertura do hospital Santa Inês, em BC

516
Compartilhar

Pandemia

Unidade foi desativada em 2011. Para Diogo Santos, sua reabilitação daria uma referência de atendimento do SUS na região

Diante da polêmica envolvendo a contratação de um hospital de campanha pelo Governo de Santa Catarina para tratamento de pacientes graves de covid-19, a ser montado em Itajaí e alvo de suspensão pelo Tribunal de Justiça (TJSC), ganhou força entre parlamentares a adoção de uma via alternativa: a reabertura do hospital Santa Inês, de Balneário Camboriú. A ideia, lançada pelo deputado Ivan Naatz (PL), ganhou o apoio da Câmara de Porto Belo, que aprovou, na sessão online da última segunda-feira (27), duas moções de apelo pela reativação do hospital, desativado pela primeira vez em 2011.

Propostas pelo vereador e presidente do Legislativo portobelense Diogo Santos (MDB) e endereçadas ao presidente da Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc), deputado Júlio Garcia (PSD), e ao governador Carlos Moisés da Silva (PSL), as moções pedem a reestruturação e reabertura do Santa Inês, tendo em vista que o hospital de referência para a Macrorregião da Foz do Rio Itajaí, o Ruth Cardoso, possui gestão municipal e tem tentado restringir o atendimento aos moradores de Balneário Camboriú.

Gestão estadual

“Na situação em que estamos vivendo, em decorrência da pandemia de covid-19, reestabelecer essa estrutura hospitalar e de forma regional, custeada pelo Governo do Estado, é o melhor caminho para amenizar os problemas, bem como proporcionar à população da região a volta de uma unidade hospitalar de gestão estadual”, assinalou, no documento, Diogo Santos.

No último dia 20 de abril, Naatz divulgou vídeo nas redes sociais de uma visita ao Santa Inês, o qual aparece em bom estado de conservação. Reaberto em 2014 para atendimento privado, o hospital com capacidade para 130 leitos e 6 mil metros quadrados de área construída fechou definitivamente as portas em 2016.

Alternativa mais barata

De acordo com o deputado blumenauense, trata-se de uma alternativa mais barata de enfrentamento da pandemia na região do que o hospital de campanha, cujo custo de implantação é de R$ 76 milhões. Para os vereadores portobelenses, seria uma oportunidade de contar novamente com um hospital operado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para atendimento da população dos municípios de Porto Belo, Itapema e Bombinhas.

“Vai ser muito importante para a região”, observou, durante a votação das moções, o vereador e vice-presidente da mesa diretora Joel Lucinda (MDB). “É uma grande deixa, pegar a estrutura e fazer o Santa Inês ser o hospital que a gente tanto quer”, reforçou Rosaura Rodrigues (PT).

Em entrevista à colunista do NSC Total Dagmara Spautz, no último dia 13, o secretário de Defesa Civil do Estado, coronel João Batista Cordeiro Júnior, informou que o Santa Inês foi cogitado como possível local para a instalação do hospital de campanha. Na ocasião, porém, ele afirmou que o custo de adaptação do espaço seria mais elevado do que no pavilhão da Marejada, em Itajaí, onde se pretende montar a estrutura.